Crónica de Alice Vieira | Ainda as pessoas estranhas

Crónica de Alice Vieira | Ainda as pessoas estranhas

 

AINDA AS PESSOAS ESTRANHAS
Alice Vieira

 

 

Há umas semanas falei aqui, como sendo uma pessoa estranha, do jornalista Felix Correia, nazi assumido e das melhores pessoas que conheci.

Hoje é uma história um pouco ao contrário dessa.

Estava eu a tomar o pequeno almoço no “meu” café, quando se chega uma jovem, aí pelos seus trinta anos, que me disse:

–Não se lembra de mim, claro, chamo-me Leonor, e tinha para aí quatro ou cinco anos quando a conheci, mas determinou o meu futuro: por sua causa é que soube logo o que queria ser e que mais tarde escolhi o curso que fiz e a vida que tenho.

Mal a Leonor começou a contar a história eu lembrei-me logo de tudo, absolutamente de tudo, como se estivesse a ver a cena outra vez.

Quando eu estava no Diário de Notícias, para além de tudo o que eu fazia, era responsável por um suplemento infantil —“O Catraio”—para onde  miúdos até aos 10 anos mandavam desenhos e textos que eu selecionava e publicava.

A Leonor mandou uns desenhos e foram publicados.

Nessa altura a pintora Vieira da Silva estava em Lisboa. Uma jornalista da RTP foi entrevistá-la. Então ela fartou-se de se queixar do estado da arte em Portugal, que não havia novos pintores de grande qualidade, o que havia era mesmo muito mau—e puxa do “DN” que levava debaixo do braço, abriu-o e disse à jornalista:

–Olhe, o desenho desta miúda é bem melhor do que muita coisa que vejo por aí.

Era o desenho da Leonor.

Vai daí o meu chefe entrou em contacto com a Vieira da Silva e convidou-a a vir ao jornal. Chamámos a Leonor e a mãe e, à hora combinada, estávamos todos prontos, e um pouco nervosos por irmos conhecer tamanha celebridade.

Pois bem: nunca vi ninguém tão antipático e malcriado.

Olhou para a Leonor—que tinha o jornal aberto na página onde o desenho estava publicado—e começou logo a dizer que aquilo era um desenho igual aos que todos os miúdos faziam, que ela só o tinha mencionado para mostrar como toda a arte portuguesa era má, que não pensasse  que ia ter futuro nas belas artes e que era melhor fazer outra coisa.

Penso que a Leonor nem estava a perceber aquilo tudo, e estendeu-lhe um livrinho a pedir-lhe um autógrafo.

–Não dou autógrafos a ninguém.

Virou costas, nem bom dia nem boa tarde, e foi-se embora.

E então eu disse à Leonor que não fizesse caso, a senhora estava maldisposta—e que eu achava que ela tinha mesmo jeito e que continuasse a desenhar, e que quando fosse crescida se calhar iria mesmo para Belas Artes.

E a Leonor cresceu, foi para Belas Artes, pinta muito bem e é essa a vida que quer ter.

Se calhar, a Vieira da Silva, com todo aquele seu desdém e antipatia, sem o saber até praticou uma boa acção.

 


Poder ler (aqui) as outras crónicas de Alice Vieira.


 

Artigos Relacionados