Ericeira | José Fanha – 50 anos de carreira comemorados com sala cheia [Imagens]

Ericeira | José Fanha – 50 anos de carreira comemorados com sala cheia [Imagens]

 

Sala cheia ontem à tarde na casa de Cultura da Ericeira, para prestar homenagem a José Fanha, numa sessão organizada pela Câmara de Mafra.

Jornalista, arquiteto, professor, poeta, começou a dizer poesia em público em 1969 e continuou a fazê-lo até hoje, enquanto poeta, divulgador de poesia e declamado, José Fanha reside no concelho de Mafra há umas boas dezenas de anos.

Homem de esquerda, a seguir a 25 de abril de 1974, com Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Manuel Freire, Francisco Fanhais e muitos outros, participou em muitas sessões de animação cultural, que então se realizaram em todo o país. Senhor da palavra, José Fanha tem desenvolvido a sua atividade em áreas muito diversas, como guionista de televisão e de cinema, dramaturgo, autor de letras para canções e textos para rádio.

Com ele, estiveram ontem muitos amigos, numa iniciativa da Câmara de Mafra, aparentemente, da responsabilidade primeira do vereador da cultura, José Felgueiras, que terá convivido com Fanha enquanto docente do Agrupamento de Escolas da Malveira, o que lhe terá valido ontem um comentário jocoso/brincalhão de Hélder Silva, quando se referiu a aquele vereador do PSD, como apoiante do Bloco de Esquerda.

A apresentação do homenageado esteve a cargo, primeiro de Hélder Silva, presidente da Câmara de Mafra, e depois de Luísa Ducla Soares, consagrada autora de literatura para crianças e jovens, bem como de prosa e de poesia, tendo também usado da palavra, Carlos Matos Gomes, um capitão de abril que evocou o apego de José Fanha à liberdade, tendo destacado a sua bondade e doçura, nomeadamente no uso que faz das palavras quando se expressa em poesia, em prosa, realçando também o seu papel na área da intervenção política.

Presentes na assistência, para além da Hélder Silva, que abandonou a sala no meio da sessão de homenagem, e de José Felgueiras, vereador da cultura, estiveram a presidente Junta de freguesia da carvoeira, provavelmente por via da sua profissão originária, bibliotecária, e Artur Claudino, deputado municipal. De entre o muito público destacamos a presença do general Pesarat Correia, de Licínia Quitério, escritora e colaboradora do Jornal de Mafra, e de Hélder Alfaiate, galerista da Ericeira.

Desta homenagem fizeram também parte a inauguração de uma exposição centrada na vida e na obra de José Fanha, de uma outra exposição dedicada à sua obra infantojuvenil, e uma mostra das suas obras literárias.

A sessão de homenagem terminou com um momento musical com Carlos Alberto Moniz, que por vezes se tornou a duas vozes, demonstrando a grande cumplicidade e amizade entre o cantor e o escritor (também de poemas para canções).

A homenagem, que teve ontem o seu primeiro tempo, irá desdobrar-se em outros dois momentos, que terão lugar a 2 e 3 de novembro, dos quais daremos conta atempadamente.

Como é cada vez mais habitual, o único órgão de comunicação social local, a acompanhar este evento, foi o Jornal de Mafra.

Artigos Relacionados