Mafra | Barraqueiro em regime de monopólio e “Mafrense” vai mudar de nome

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

Mafra | Barraqueiro em regime de monopólio e “Mafrense” vai mudar de nome

 

A Mafrense (ou as empresas que lhe deram origem) é/era um dos símbolos da vila de Mafra. A transportar passageiros e mercadorias utilizando veículos puxados por animais, desde os anos vinte do século passado, quando fazia as ligações com Sintra ou com as estação ferroviária de Mafra, que por razões muito nossas, não é na vila de Mafra, a Mafrense foi-se modernizando e nos anos 30 já ia até à Ericeira, para transportar gentes e mercadorias até Lisboa, um feito digno de nota.

Em 1954, um ramo da família Sardinha toma conta da empresa de transportes de Mafra, surgindo assim a a Firma João Sardinha Dias, Lda., que batiza a transportadora como “Viação Mafrense”, para os mafrenses, a Mafrense, e já nessa altura fazia a proeza de ir também a Sintra e a Torres Vedras.

Já em 1996, a empresa é comprada pela Rodoviária da Estremadura, adquirindo um novo fôlego comercial através da sua utilização regular por empresas, escolas e autarquias. Mas é a 16 de Novembro de 2001 que se dá a grande fusão que há de resultar mais tarde no atual monopólio, quando surge a sociedade anónima, Barraqueiro Transportes, S.A..

Segundo a própria empresa, atualmente, a Mafrense é composta por “uma rede composta por 33 carreiras, efectuando, por dia útil, 360 circulações, que se desenvolvem nos Concelhos de Mafra, Sintra, Torres Vedras, Loures e Lisboa“, e na empresa trabalhará pouco mais do que uma centena de pessoas, com uma frota de 90 autocarros.

A Barraqueiro, proprietária da Mafrense e de outras empresas do setor rodoviário decidiu, entretanto, uniformizar a designação das empresas e em 2020 todas elas surgirão sob uma designação única. Nesse dia, a Mafrense deixará de fazer história e passará à história.

“A empresa Barraqueiro Transportes, S. A., é a maior empresa privada de transporte coletivo de passageiros, em autocarro, a operar em Portugal”, fazendo parte de um grupo ainda maior, o Grupo Barraqueiro, que opera com mais de 3 000 veículos, detendo a Fertagus (linha ferroviária sobre o Tejo), o o Metro Sul do Tejo e a TAP Air Portugal (integrada no consórcio Gateway).

O grupo tem por presidente do Conselho de Administração, Humberto Pedrosa, personalidade bem conhecida dos mafrenses e dos portugueses, agraciado pela câmara de Mafra com uma Medalha de Mérito Municipal grau ouro, depois de ter adquirido a operação de transporte regular de passageiros da empresa Isidoro Duarte, ficou com o monopólio do transporte rodoviário de passageiros no concelho de Mafra.

O Jornal de Mafra tentou contactar quer a Mafrense, quer a Barraqueiro, não tendo obtido qualquer resposta.

Artigos Relacionados