OPINIÃO POLÍTICA | José Martinez – Estou em modo FESTA

Estou em modo FESTA.

 

À medida que se aproxima o dia, a hora, do início da FESTA aumenta o nervoso miudinho de quem não quer que nada falhe.

É preciso criar as condições para que a Festa deixe de ser nossa e passe a ser a Festa de quem nela participa.

A responsabilidade é muita. Parece impossível concretizar, com trabalho essencialmente voluntário, uma estrutura que conta: 12 palcos; 200 espectaculos; 70 debates; 40 modalidades desportivas; Pavilhões temáticos; a bienal de arte; o país na Festa (em stands contei 20); o mundo na festa (mais de 30 partidos e movimentos progressistas) …

É verdade. Não há Festa como esta!

Detratores há sempre como disse Jerónimo de Sousa «há por aí quem considere que esta participação dos militantes e amigos do Partido na construção da Festa estaria ultrapassada no tempo face aos avanços tecnológicos em que tudo se faz com uns dinheiros e uma boa publicidade e promoção» e acrescentou «esconder, desvalorizar e não reconhecer que também a edificação da Festa do Avante!, erguida a pulso, é expressão ímpar e insubstituível da forma como estamos na vida e como estamos na política».

Vai ser bom, rever camaradas, sentir o pulsar das gentes, inebriarmo-nos com o clima de fraternidade.

Vamos voltar mais fortes para as tarefas da campanha eleitoral que se avizinha.

É muito importante que os resultados eleitorais permitam a continuidade do ciclo iniciado em 2015, ciclo de reposição e conquista de rendimentos e direitos, aprofundando as conquistas que permitiram passar da fase de empobrecimento de quem trabalha, para uma fase de esperança alicerçada no aumento do poder de compra, na consequente descida do desemprego, no aumento ainda insuficiente da natalidade.

Os compromissos do PCP e do PEV são claros. A CDU nunca traiu os seus compromissos para com o povo. Vamos agarrar, com a força que os votos nos derem, as nossas bandeiras:

Aumento geral dos salários e do Salário Mínimo Nacional para 850€

Aumentos das pensões e reformas em, pelo menos, 40€ na legislatura

Garantia de creche gratuita para todas as crianças que nasçam a partir de 2020

Redução da taxa máxima de IVA de 23 para 21%

Redução do IVA do Gás e da Electricidade de 23% para 6%

Criação de Plano Nacional de Combate à Precariedade

Reforma por inteiro aos 40 anos de descontos

Eliminação das penalizações na reforma dos trabalhadores que foram obrigados a reformarem-se antecipadamente

Programa integrado para resposta imediata aos problemas da Saúde

Concretização de uma Rede de Cuidados Continuados e Paliativos

Assegurar, em todo o país, a aplicação de passes sociais para os transportes públicos

Reabertura de serviços públicos entretanto encerrados nas zonas de interior e do mundo rural

1% do Orçamento do Estado para a Cultura,

 

Não vai ser fácil. Temos consciência que só com o reforço da CDU evitaremos a colagem do PS aos partidos da direita.

Em Mafra, continuaremos a lutar pela diminuição do custo de aqui viver pugnando pelo preço justo da água, agora finalmente pública, após 25 anos de denúncia do atentado cometido pelo PSD a que, de forma sistemática, só a CDU se opôs.

Continuaremos a lutar pela baixa do IMI para os níveis praticados na maioria dos municípios.

SOMOS OPOSIÇÃO!

Setembro 2019.

 


Pode ler (aqui) outros artigos de opinião de José Martinez


______________________________________________________________________________________________________

As opiniões expressas nesse e em todos os artigos de opinião são da responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores, não representando a orientação ou as posições do Jornal de Mafra

______________________________________________________________________________________________________

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados