Crónica de Psicologia por Filipa Marques | Influencers, Youtubers… – Perigo ou apenas polémica?

Influencers, Youtubers… – Perigo ou apenas polémica?

 

Youtubers. Influencers. Seguidores. Likes. Reconhecimento. Fama.

Palavras na ordem do dia. Motes de vida para alguns adultos, a esmagadora maioria dos adolescentes e já também para crianças.

Vamos perceber o que é este fenómeno…

O «fenómeno influencer» é a capacidade de uma pessoa influenciar determinado grupo de indivíduos para modificar as suas opiniões, de tal maneira que as pessoas deste grupo seguem os passos do influencer, admiram e partilham as suas ideias e estilos de vida.

Os youtubers e influencers podem ser comparados às celebridades, como por exemplo atores ou cantores. Só que, pelo que se sabe, youtubers e influencers têm mais poder de persuasão sobre as crianças e adolescentes. Porquê? Há estudos que indicam que há uma maior identificação e proximidade da criança/adolescente a estas figuras. São pessoas geralmente da sua idade, que levam uma “vida comum”. Pessoas que expõem um conteúdo específico na internet que transparece a sua personalidade, os seus talentos, atividades ou ideias e por isso tornam-se modelos de ação, reconhecidos e admirados pelos outros. A partilha aparentemente verdadeira, íntima e confiável que os influencers fazem da sua história de vida torna-os ainda mais próximos dos adolescentes que, na maioria das vezes, acreditam nas suas histórias como dados inquestionáveis quanto à sua verdade. Desta maneira, os youtubers e influencers tornam-se uma referência importante na vida daqueles que os seguem – por esse motivo, reproduzem os seus comportamentos e até os seus pensamentos.

Explicado o fenómeno é hora de levantar algumas questões que me assaltam como uma preocupação: sabemos quem é que são os youtubers e influencers que os nossos filhos, netos e sobrinhos seguem? Sabemos que ideias eles transmitem e que comportamentos eles têm? Será que temos a noção da importância destes influencers nas nossas crianças e adolescentes?

Se os nossos filhos seguirem um influencer com valores e comportamentos positivos, por exemplo que faz voluntariado, tem talento para cantar e atitudes pró-ambiente, isso pode ser um meio para os nossos filhos adotarem bons hábitos, ideias e comportamentos. Mas, temos de ser realistas e perceber que a internet não lhes oferece uma escolha crivada do que ver ou do que seguir. Temos de ser conscientes e perceber que a maioria das vezes o que atrai as crianças e adolescentes é seguir aqueles que estão a “dar que falar”. Por um lado estejamos tranquilos: não nos devemos alarmar. Devemos antes ter a confiança que a educação e os valores que transmitimos às nossas crianças e adolescentes estão presentes nelas. Mas, por outro lado, estejamos cientes de que é necessário alertá-las para o risco e perceber quem é que elas seguem de forma a orientá-las no caminho mais seguro. Podemos fazê-lo até em jeito de brincadeira, por exemplo dizendo “então, quem é que está na moda seguir agora?” “e tu, quem é que segues?”, de maneira a que elas nos digam sem se sentirem controladas – até porque é importante sentirem que têm o seu espaço preservado.

Exposto o tema lanço o habitual desafio: vamos também nós saber o que dizem e fazem os youtubers e influencers mais conhecidos para conhecer melhor esta realidade e analisá-la de uma perspetiva crítica?

 

Referências Bibliográficas

de la Piedra, E., & Meana, R. (2017). Redes sociales y fenómeno influencer. Reflexiones desde una perspectiva psicológica. Miscelánea Comillas. Revista de Ciencias Humanas y Sociales75(147), 443-469.

Westenberg, W. M. (2016). The influence of YouTubers on teenagers: a descriptive research about the role YouTubers play in the life of their teenage viewers (Master’s thesis, University of Twente).


Pode ler (aqui) todos os artigos de Filipa Marques.

Filipa Marques Psicologia


 

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados