OPINIÃO POLÍTICA | Leila Alexandre – Tenho 28 anos e recebi hoje o meu primeiro subsídio de férias

Tenho 28 anos e recebi hoje o meu primeiro subsídio de férias

Um abanão à precariedade

 

Parece um desabafo e é, mas é também um retrato cru daquela que ainda é a realidade dos nossos dias.

Não comecei a trabalhar aos 28, não é esse o motivo por trás do título deste meu texto. Comecei antes de ter idade legal para o poder fazer, acabada de entrar no Secundário, a servir mesas numa marisqueira.

Daí em diante não voltei a não trabalhar, mas durante mais de uma década não tive um emprego – trabalhei. Fui precária durante todo esse tempo e vivi a precariedade sobre várias formas:

Trabalhei sem contrato e sem horário, com pagamentos diários;

Trabalhei sem contrato, 6 dias por semana, com pagamentos a dinheiro, sempre com atrasos e aos bocadinhos;

Trabalhei com sucessivos contratos a termo não renováveis, no pico da crise e do “há muito quem precise”, “tens de te sujeitar”;

Trabalhei a recibos verdes, com vencimento fixo, local de trabalho obrigatório, horário mínimo e hierarquia, sem qualquer direito laboral ou relagia, sujeita a qualquer horário, em qualquer dia, com ou sem motivo.

Conheci os diferentes rostos da precariedade laboral até ter um emprego. Não deixei de trabalhar, mas passei a somar às exigências, deveres e obrigações um conjunto essencial de direitos.

Isto só foi possível no cenário atual, com um governo de esquerda, com prioridades sociais e que começa (devagarinho) a olhar para o trabalho com olhos de ver.

O caminho é longo, é certo que há muito por fazer mas ao batermos ao austeridade conseguimos dar um abanão à precariedade.

 

Duas breves notas:

– Minutos depois de escrito este texto, circulam na imprensa nacional notícias como “Desemprego registado cai para nível mais baixo dos últimos 28 anos (…) É preciso recuar a Dezembro de 1991 para encontrar um número mais baixo.” [Público], o que é um dado interessante face ao que escrevi;

– Aos meus amigos, colegas e camaradas que continuam no caminho da precariedade, em qualquer das suas formas, deixo uma mensagem de resiliência e incentivo para que não se conformem e um apelo a que compreendam que é na solução de esquerda que se combatem as desigualdades e as injustiças laborais e sociais.

 

[Redigido a 19 de junho de 2019]

 


Pode ler (aqui) todos os artigos de Leila Alexandre


 

______________________________________________________________________________________________________

As opiniões expressas nesse e em todos os artigos de opinião são da responsabilidade exclusiva dos seus respectivos autores, não representando a orientação ou as posições do Jornal de Mafra

______________________________________________________________________________________________________

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados