ARSLVT responde ao Jornal de Mafra a propósito do artigo “Novo centro de saúde mostra deficiências”

Centro Saúde Mafra
[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

Contatada a ARSLVT (Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo) a propósito do nosso artigo de ontem, intitulado Mafra | Novo Centro de Saúde Mostra Deficiências, onde dávamos conta de algumas deficiências por suprir no novo centro de saúde que serve a vila de Mafra, a Igreja Nova e em termos de atendimento complementar, todos os utentes do concelho.

Assim, relativamente ao novo aparelho de raios X, a ARSLVT revela que “O aparelho de raios X está operacional. Trata-se de um aparelho de Raios X com nova tecnologia, por essa razão, os técnicos estão em formação entre hoje, dia 5 de junho, e sexta-feira, dia 7 de junho“.  Concluída esta ação de formação, este serviço, então, deverá ficar operacional.

Por outro lado, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo revela que ficaram hoje operacionais as linhas telefónicas que servem as novas instalações do centro de saúde localizado em Mafra. Assumindo, implicitamente, que estes serviços operaram mais de 2 semanas sem acessos telefónicos

Finalmente, e no que diz respeito à existência de negatoscópios (aparelhos que facilitam a leitura de radiografias), a ARSLVT comunicou-nos que “A nova unidade de saúde Mafra Norte tem 15 negatoscópios em funcionamento, distribuídos da seguinte forma: Atendimento Complementar – 2 negatoscópios; USF Andreas – 12 negatoscópios; USF D. João V – 1 negatoscópio”., complementando ainda esta informação, referindo que ” […] as imagens radiológicas já vêm digitalizadas, sendo por isso analisadas em computador“. No entsanto, o Jornal de Mafra apurou que nem todos os consultórios dispões destes aparelhos.

Artigos Relacionados

3 Thoughts to “ARSLVT responde ao Jornal de Mafra a propósito do artigo “Novo centro de saúde mostra deficiências””

  1. Victor Rodrigues

    O jornalismo não está podre, mas os factos apontados são uma realidade. É inadmissível que nestas circunstâncias os quadros técnicos deviam estar formados antes da abertura deste centro de saúde. O serviço público deixa muito a desejar e alguns funcionários públicos, porque têm mais regalias que os trabalhadores no privado, caiem no ridículo com observações sem fundamento. Parabéns pela denúncia.

  2. Mais.impressionante é a ARS perder tempo dos contribuintes a comentar jornalixo.

    Fakenews

  3. José

    Que jornalismo podre, há claramente alguma questão política ppr trás destes ataques a detalhes sem importância major. Sou médico e nem sequer trabalho em Mafra, mas nota-se o vosso esforço em negativizar o projecto. Tristes.

Comments are closed.