Torres Vedras | As árvores da Rua António Leal D’ascensão vão ser transplantadas

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

Esta semana, as árvores da Rua António Leal D’ascensão, em Torres Vedras, estão a dar que falar.

No início da semana, surgiu a notícia de que as 41 árvores ali existentes iriam “ser abatidas” para dar lugar a uma ciclovia, notícia com origem numa tomada de posição do BE de Torres Vedras. Entretanto, alguns dos moradores da zona mostraram-se satisfeitos, pois, dizem que as raízes destas árvores têm vindo a danificar condutas subterrâneas (entre elas as da água e as da luz), bem como a própria estrada.

A Câmara municipal veio por fim esclarecer o “destino” destas árvores. As árvores da Rua António Leal d’Ascensão, no troço compreendido entre a Rua Teresa de Jesus Pereira e a rotunda junto ao CAERO, irãol “ser transplantadas para a margem do Rio Sizandro, no troço entre o acesso à Variante Poente e a Ponte de São Miguel”, justificando esta transplantação com o fato de estas árvores estarem a provocar danos “em infraestruturas subterrâneas, assim como no próprio pavimento”.

Os freixos, cujo desenvolvimento junto a linhas de água é favorável, serão retirados e transportados por uma empresa especializada da área da silvicultura, sendo ainda “podadas para que se proceda ao seu correto transporte, garantindo o mínimo dano possível durante o mesmo”.

O processo de transplantação ocorre nesta época, “aproveitando a intervenção que irá decorrer no local no âmbito da extensão da rede de ciclovias de Torres Vedras” e deverá estar concluído dentro de duas semanas.

A autarquia refere ainda que “os freixos que atualmente se encontram na referida rua serão substituídos por um número superior de árvores-de-júpiter (Lagerstroemia indica), uma espécie ornamental de menor porte e adequada a alinhamentos urbanos”.

Depois do comunicado da Câmara Municipal, o BE de Torres Vedras refere que:
“Visto que as árvores da rua vigente se encontram danificadas devido à poda agressiva que tem sido alvo, o Bloco de Esquerda tem dúvidas em relação à sua sobrevivência no novo local (margem do Rio Sizandro).
Referir também que esta altura do ano não é adequada para fazer estes transplantes, porque nesta altura do ano é quando as árvores estão no seu período de maior desenvolvimento anual, e os transplantes devem ser feitos no Inverno.”

 

Artigos Relacionados