OPINIÃO POLÍTICA | Matilde Batalha – Diversão e poluição não combinam – o Festival do Pão

DIVERSÃO E POLUIÇÃO NÃO COMBINAM – O FESTIVAL DO PÃO

Todos e todas sabemos que quando fazemos uma festa em casa, usar louça de plástico dá um jeitão. Tem-se menos trabalho e a casa arruma-se mais depressa, levanta-se a mesa e vai tudo para o saco do lixo. Contudo, esse momento de prazer e diversão tem uma pegada ecológica gigante. Veja o lixo que produziu. O lixo não desaparece porque entrou no contentor. Estamos atualmente a travar uma guerra contra o plástico descartável.

Em 2021, será proibida a venda de artigos de plástico de utilização única, em todos os Estados-membro da União Europeia (U.E.). A proposta votada favoravelmente em outubro passado, no Parlamento Europeu, insere-se na Estratégia Europeia para os Plásticos. Estima-se que os produtos de plástico descartáveis cobertos pela proposta e as artes de pesca representam cerca de 70% do lixo marinho, e entre eles estão os pratos, talheres, copos e palhinhas de plástico.

Segundo um comunicado do Conselho de Ministros do Ambiente da U.E., o lixo marítimo é um problema global cada vez maior” e “se nada for feito, em 2050 haverá mais plásticos no mar do que peixes.”

O Festival do Pão de Mafra é um dos maiores eventos do nosso concelho, que atrai à vila milhares de pessoas, e que ali têm a oportunidade não só de saborear o afamado Pão de Mafra como de provar as mais variadas especialidades gastronómicas regionais. Além de unir lazer, tradição e cultura, pretende-se que, a par desta nova consciência ecológica, tenha também um carácter de educação ambiental. Na passada Assembleia Municipal de Mafra de dia 21 de fevereiro, o PAN propôs que o próximo Festival do Pão fosse livre de plásticos descartáveis de várias naturezas. Com esta medida reduzir-se-ia o lixo produzido durante os vários dias do evento contribuindo para um concelho mais amigo do ambiente, sensibilizando os munícipes para a redução dos resíduos e da sua pegada ecológica.

A Câmara Municipal de Mafra tem estado a dar positivos passos ao nível da sensibilização para a sustentabilidade e para uma maior consciência ecológica. Neste momento Mafra integra o projeto-piloto “Geração Azul”, lançou um filme de animação sobre a importância da redução e reciclagem dos resíduos e faz ações de sensibilização ambiental nas escolas para a redução dos plásticos. A sensibilização tem como propósito uma mudança: a mudança para a qual se faz sensibilização. O voto contra a moção apresentada para organizar-se o Festival do Pão sem plásticos descartáveis lembra aquela máxima “faz o que eu digo, mas não faças o que eu faço”. Bem sabemos que a logística muda, é necessário lavar loiça, dá mais trabalho. Mas é e já foi possível. A existência do plástico descartável é recente na história da humanidade.

O Festival do Pão dura duas semanas e tem uma grande afluência. As toneladas de lixo que seriam poupados seria gigante, para além de preconizar valores que a Câmara se orgulha de transmitir. Todos sabemos que a Redução é das mais importantes medidas ecológicas, seguindo-lhe a reutilização e depois a reciclagem. Um evento não ecologicamente sustentado não deveria ser realizado. Existe atualmente um desequilíbrio entre os recursos do planeta e as necessidades humanas. Temos esgotado e poluído o planeta a níveis que desequilibraram os ecossistemas e colocam em causa o futuro da humanidade e de muitas espécies (muitas espécies já se extinguiram por responsabilidade da ação humana no planeta). Sendo assim, há medidas de compensação que devem ser feitas. Se é possível ser realizado então temos essa obrigação. Devemos faze-lo mesmo que dê mais trabalho e eventualmente se gaste mais dinheiro. Há valores maiores que se levantam. Os da vida! Temos essa obrigação para com as futuras gerações!

Como vai fazer na próxima festa que organizar?

 

 

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados