MESMO | Perturbações da Personalidade

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

Saúde Mental e Ocupacional | Ciro Oliveira

 

Perturbações da Personalidade


As perturbações da personalidade afetam cerca de uma em cada dez pessoas e diminuem a capacidade da pessoa se adaptar ao meio em que se insere, estando associadas a sofrimento do próprio e dos outros com quem convivem.

Devemos, num primeiro momento, definir personalidade.De forma resumida, personalidade é uma organização dinâmica de conjuntos de comportamentos, pensamentos e sentimentosque é relativamente estável ao longo do tempo e que dá à pessoa o seu caráter único e singular, permitindo-lhe adaptar-se às múltiplas situações da vida. A formação da personalidade depende de determinantes biológicas e genéticas, do desenvolvimento pessoal e do ambiente envolvente.

Exposto isto, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, uma perturbação da personalidadeé um «conjunto de modalidades do comportamento enraizadas e duráveis que consistem em reações inflexíveis a situações pessoais e sociais de várias naturezas. Esses comportamentos são desvios extremos ou significativos das perceções, pensamentos, sensações e particularmente das relações com os outros, por comparação com indivíduos numa determinada cultura».

Para que se possa considerar uma perturbação da personalidade, o comportamento da pessoa tem de, necessariamente, causar sofrimento no próprio e em terceiros e diminuir de forma significativa a sua capacidade de se adaptar a diferentes situações da vida, tendo, assim, consequências negativas no seu funcionamento.

Evidentemente, todos nós podemos apresentar traços da personalidade mais marcados sem que tal diminua o nosso desempenho. Pelo contrário, podem até ser benéficos. Por exemplo, quem quererá um contabilista que não tenha traços obsessivos da personalidade que o ajudem a não deixar escapar nenhum número importante?

Segundo um dos sistemas de classificação de perturbações mentais mais amplamente utilizados a nível mundial — o DSM-5 — podemos dividir as perturbações da personalidade em 3 grandes grupos a que chamam clusters. De seguida, apresentamos, de forma resumida, as suas principais caraterísticas:

A. Perturbações da personalidadeCluster A (bizarros/excêntrico)

  • Paranoide: pessoas com tendência à desconfiança nas relações interpessoais, a ter comportamentos querelantes, hostis e reivindicativos, e a interpretar as coisas como contra si, reagindo, por vezes, de forma violenta;
  • Esquizoide: pessoas isoladas socialmente, centradas em atividades solitárias e que apresentam uma expressão afetiva e capacidade de interpretação de estímulos sociaisdiminuídas, sendo distantes,indiferentes à crítica, sem desejo de intimidade e sem amigos próximos;
  • Esquizotípica: pessoas com aparência excêntrica e comportamento estranho,discurso impreciso e de difícil compreensão (embora organizado) e crenças pouco habituais e tendentes ao esoterismo ou ao pensamento mágico. Apresentam uma fraca capacidade de ler sinais socais e de expressão dos afetos e preferem atividades solitárias, sendo uma perturbação próxima da esquizofrenia.

B. Perturbações da personalidade Cluster B (teatral/emotivo/errático)

  • Antissocial: pessoas superficialmente sedutoras, mas que não investem na relação com os outros, retirando prazer de um comportamento centrado na satisfação das suas próprias necessidades e que revela desrespeito pelos direitos dos outros. São instáveis, impulsivas, incapazes de compreender o sofrimento que causam nos outros e de antecipar as consequências negativas dos seus atos. Historicamente está ligada à noção de psicopatia;
  • Borderline:pessoas que revelam uma enorme instabilidade nas relações com os outros (passam da idealização extrema à desilusão; têm medo do abandono), na autoimagem e dos afetos. São emocionalmente instáveis, sensíveis à crítica e apresentam oscilações bruscas do humor, com acessos de raiva e irritabilidade, sentimentos de vazio, tédio e tristeza. Apresentam frequentemente comportamentos autolesivos (p. ex.,mutilatórios);
  • Histriónica: pessoas com manifestações emocionais excessivas e grande necessidade de atenção, sentindo angústia quando não são o centro das atenções ou não se sentem suficientemente amados, tentando, por isso, captar a atenção dos outros de forma sedutora e provocadora, procurando impressioná-las. São, geralmente, teatrais, influenciáveis pela opinião dos outros a quem têm o desejo de agradar, mas com dificuldade em manter relações de verdadeira proximidade;
  • Narcísica: pessoas com uma ideia engrandecida delas próprias e com uma grande necessidade de admiração. Preocupam-se com elas próprias e são ambiciosas, utilizando diferentes meios para atingir os seus fins de reconhecimentos social e profissional, sendo trabalhadoras, tendentes à manipulação e à exploração dos outros em seu proveito, e pouco tolerantes à crítica ou ao falhanço.

C. Cluster C (ansioso)

  • Evitante: pessoas reservadas, tímidas, com medo da rejeição, muito sensíveis à crítica, baixa autoestima, evitando, assim, situações para as quais consideram não estar à altura, o que conduz ao isolamento social. Por regra, atenua-se com a idade;
  • Dependente: pessoas com falta de confiança, que se autoavaliam negativamente e com dificuldade em funcionar de forma autónoma, sendo passivas e delegando nos outros a assunção das suas responsabilidades;
  • Obsessivo-compulsiva: pessoas perfeccionistas, tenazes, com grande sentido de responsabilidade, preocupadas com a ordem e o controlo pessoal e das situações, cujo pensamento e comportamento é tendencialmente rígido, emocionalmente controlado e pouco espontâneo, tendo, por isso, baixa capacidade de adaptação perante situações imprevistas ou que possam sentir que fogem ao seu controlo.

Do ponto de vista terapêutico, as perturbações da personalidade não têm indicação formal para receber tratamento farmacológico, podendo os fármacos ser usados pontualmente no alívio sintomático, embora com pouca eficácia demonstrada, inclusive na perturbação borderline que é das que condiciona alterações do comportamento mais evidentes e das mais mediáticas na comunicação social. Contudo, qualquer uma destas perturbações pode beneficiar de forma muito evidente de intervenções psicoterapêuticas, sendo esta a abordagem terapêutica de referência.

Por tudo isto, caso apresente estas características e as sinta como negativas, ou as identifique num familiar ou amigo, não hesite em procurar ajuda profissional, nomeadamente junto do seu médico de família, de modo a que este possa fazer uma primeira avaliação e dar o devido encaminhamento.

 

Artigos Relacionados