Crónica de Psicologia por Filipa Marques

Crónica de Psicologia por Filipa Marques

 

Olá caros leitores!

Sou a Filipa Marques, psicóloga de formação e de paixão.

É com muita satisfação que inicio hoje a minha crónica no Jornal de Mafra, com o objetivo de partilhar e refletir convosco sobre vários temas da psicologia que estão presentes no dia-a-dia das nossas vidas.

Por coincidência hoje é o dia dos namorados! É dia de flores, jantares à luz das velas, recordações que saem do baú e votos mútuos de amor duradouro e feliz. Por isso mesmo hoje é o dia ideal para abordar do ponto de vista da psicologia as relações de casal.

Ao longo do tempo diversos estudos e teorias de psicologia – por exemplo a Teoria Triangular do Amor de Sternberg – têm apontado três principais componentes que sustentam o amor conjugal: paixão, intimidade e compromisso. A paixão está relacionada com o sentimento de atração, física e psicológica. A intimidade diz respeito aos laços emocionais que o casal vai criando e ao sentimento de proximidade emocional entre os dois. Por último, o compromisso implica a decisão partilhada de que existe amor e de que a relação deve continuar ao longo do tempo. A paixão, a intimidade e o compromisso estão interrelacionados e todos são necessários à subsistência do amor.

Cada um dos componentes pode estar presente em diferente quantidade dependendo da forma como funciona a relação. Vejamos: certamente que todos nós conhecemos aquele casal que, à medida que envelhece, cada vez é mais ligado um ao outro – têm uma grande intimidade. Ou então aquele casal que, por enfrentar dificuldade atrás de dificuldade, se vale do compromisso de amar o outro e de manter a relação para voltar a encontrar novamente o brilho no olhar do outro – compromisso. Para além disso, a quantidade de cada componente do amor é também variável dependendo do momento pelo qual o casal está a passar. Por exemplo, hoje é o dia dos namorados e um casal casado há 28 anos vai jantar fora. É provável que hoje esteja mais presente que nos outros dias a componente da paixão, que se sintam mais atraídos um pelo outro, ou até mesmo que aumente a intimidade emocional depois de uma noite cúmplice de conversa e partilha entre os dois.

Apesar das variações da quantidade de cada componente é importante que haja um equilíbrio entre paixão, intimidade e compromisso para que o amor prevaleça e tenha qualidade. Sabendo da importância de cada um destes componentes do amor, agora é hora de cada um de nós olhar para a sua relação e pensar: na minha relação existe amor, intimidade e compromisso? Será que há alguma destas componentes que preciso de reavivar para manter o amor? Como vou fazer isso?

Depois desta reflexão, hoje é a altura perfeita para agir: comprar uma flor e oferecer ao outro, ouvir juntos aquela música que gostam ou simplesmente relembrá-lo de que é a companhia dele que quer todos os dias.

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados