OPINIÃO POLÍTICA | Mário de Sousa – ´… temos olhos de ver e olhos de não ver’

[sg_popup id=”24045″ event=”onLoad”][/sg_popup]

´… temos olhos de ver e olhos de não ver’

A fobia de ser ‘empreendedor’ copiando o vizinho tem uma larga tradição em Portugal e vem desde os tempos heroicos das ‘croissanteries’ da Praça de Londres, das tostas mistas do ‘Galeto’ ou dos gelados do Apolo 70. Desnatado o mercado ficam os escombros e as dívidas deixados por todos os que nem o dinheiro tinham para iniciar o negócio.

O mesmo se vem passando em Portugal de há uns anos a esta parte com as imobiliárias. Um local está na moda e aparecem como cogumelos, lojas ostentando nomes idílicos, de preferência em inglês, anunciando a casa de sonho via fotografia com o melhor aspeto possível, até de barracões prometendo a licença de construção de magníficas moradias com vista apelativa nem que seja para o muro em frente. Dizia o ContaOnline:

“No ano 2018, dizem-nos as estatísticas, que estão a ser criadas 4 imobiliárias por dia em Portugal. …/… O mercado imobiliário em Portugal sempre foi muito bom para quem trabalha com imóveis. Tem altos e baixos como todos os mercados, mas a taxa de sobrevivência das empresas de mediação imobiliária tem sido sempre superior a empresas de outras atividades (comparativamente).

Em Portugal desde os anos 90 que o imobiliário tem tido crescimentos significativos. Com a entrada de Portugal na União Europeia e com o dinheiro fácil, ou seja, com a facilidade de financiamento para aquisição de imóveis, levou a uma verdadeira loucura na construção de imóveis, traduzindo-se também num período muito fértil para a mediação imobiliária. …/…

Tivemos em Portugal um grave período de crise financeira que já foi ultrapassado e neste momento não há construção nova para a procura. É um negócio em alta.” i

E quando o negócio tem boas perspetivas de imediato surgem as multinacionais do ‘realstate’ cilindrando tudo, prometendo aos seus colaboradores ganhos chorudos. (vamos ver com a nova regulamentação dos recibos verdes como é que isto vai correr’.

Com a entrada das multinacionais no negócio, este profissionalizou-se e passou a ser científico, algo em que para além da renda da loja, da água e da luz, se tem de investir muito dinheiro em estudos de mercado, publicidade e lobbies que criem os tais lugares aldeias, vilas ou cidades onde a qualidade de vida possa ser sugerida como fator de preço alto e como tal, só acessível a classes médias altas ou até mesmo a segmentos de luxo.

Fazem-se estudos que alicercem o investimento e utilizando a comunicação social, apela-se à promoção dos locais de formas sugestivas. Os autarcas gostam, enchendo-lhes o ego com elogios à qualidade de vida que estes proporcionam aos seus munícipes.

Vem isto a propósito de no último boletim da CMM dedicado à sustentabilidade, vir publicado de ‘forma modesta’ um apontamento sobre um estudo ter considerado a Ericeira e Mafra como as 2ª e 3ª melhores freguesias das 67 da Grande Lisboa, só suplantadas pelo Parque das Nações. Honestamente, fico muito contente com isso. Como mafrense sinto-me bem mas… quem é que fez o estudo? A Imovirtual! E quem é a Imovirtual? No seu site ii lê-se:

“O Imovirtual é desenvolvido e gerido pelo OLX Portugal, S.A., empresa com vasta experiência em plataformas electrónicas de compra e venda.
O nosso objectivo é proporcionar aos nossos utilizadores a forma mais rápida, cómoda e eficaz de comprar e vender na internet.
Se tem perguntas, comentários ou sugestões, não hesite em contactar-nos através do formulário de contacto.
Desejamos óptimos negócios com o Imovirtual!

OLX Portugal, S.A.
Capital Social: 360.000,00 Euro
Matriculada na C.R.C. de Lisboa sob o nº 508069491
Nº Contribuinte: 508069491”

Percebe-se o interesse do estudo e porque é que ele foi feito. Mas a Imovirtual também avisa que na Ericeira há um longo caminho a percorrer. Na Segurança, Acessos e Lojas e Restaurantes está tudo bem, mas em Espaços de Lazer, Espaço Saúde e Limpeza segundo a Azul Ericeira Magiiireceberam piores avaliações da avaliação global das freguesias analisadas.”

Faltou isto no Boletim da CMMafra.

Lembrei-me de Jorge Amado no seu livro “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá” quando escreveu uma frase que deveria estar sempre presente em todos nós ´…temos olhos de ver e olhos de não ver’. Por vezes, tê-los bem abertos não chega!

Mafra, 06 de Fevereiro 2019
Mário de Sousa

 


ContaOnline https://contaonline.pt/imobiliaria/abrir-uma-imobiliaria-e-bom-negocio/  (consultado em 05/02/2019)

ii https://ajuda.imovirtual.com/hc/pt/articles/115002313809-Sobre-n%C3%B3s (consultado em 05/02/2019)

iii http://www.ericeiramag.pt/ericeira-e-mafra-no-podio-das-melhores-freguesias-da-grande-lisboa/ (consultado em 05/02/2019)

Artigos Relacionados