Crónica de Alice Vieira | A propósito de orquídeas

A propósito de orquídeas
Alice Vieira

 

Com toda a gritaria que vai por aí, com a prisão de Bruno de Carvalho a tomar de assalto todas as estações de televisão (e notícias perfeitamente bombásticas, tipo “acordou às 7 horas” , ou “sai da cela para fumar”…) decidi impermeabilizar ouvidos e olhos a todo o arraial e ficar a olhar para as minhas orquídeas.

Qual Nero Wolf das Avenidas Novas.

Claro que hoje já ninguém sabe quem era o Nero Wolf.

Os ingénuos romances policiais, de detectives a escorrer brilhantina com secretárias a escorrer Chanel nº5, foram à vida.

Mesmo os que se consideravam “negros” são hoje cor de rosa pálido, comparados com todos os telejornais.

E, sem o cigarro na ponta dos dedos, os “private-eyes” e as mulheres-fatais ficaram, definitivamente, desempregados, porque toda a gente sabia que era daquelas baforadas de fumo que havia de sair a resolução do problema (no primeiro caso) e a ida para a cama (no segundo)

Mas Nero Wolf (criado por Rex Stout) nem sequer se encaixa muito nessa categoria, nem é sequer das minhas personagens preferidas, com os seus mastodônticos 130 quilos, bebedor compulsivo de cerveja, de uma inteligência fora do normal e vaidoso dela (“não sou Deus, sou apenas um génio”), sempre metido em casa, e resolvendo os casos depois de o seu assistente lhe ter feito o trabalhinho todo, ora assim também eu.

A espécie humana interessava-lhe muito pouco, mas amava, apaixonadamente, orquídeas.

Milhares de orquídeas povoavam-lhe o telhado e a vida. De um pé de orquídea nasciam logo mais dez ou vinte.

E é só por causa das orquídeas que eu hoje me lembrei do Nero Wolf.

Por causa da minha orquídea que, se calhar, é descendente de alguma das que ele teria cuidado nas suas estufas.

Porque a minha orquídea não pára de florescer.

Devo dizer que, por ser muito quente no verão e muito fria no inverno, a minha casa não é propícia à criação de flores. Todas as plantas que procuro trazer para dar um ar mais verde ao ambiente, passado umas semanas já estão a entregar a sua alma vegetal ao criador.

Todas—menos a minha orquídea.

Foi o meu amigo António, o meu habitual “fornecedor” de flores, que ma ofereceu há uns anos.

E mesmo sem nenhum cuidado especial, a minha orquídea não pára de se reproduzir.Todos os anos tenho orquídeas novas, dou orquídeas a amigos,  distribuo orquídeas pela casa toda—e no ano seguinte lá vêm mais.

Esta semana acabei de colocar as últimas em todos os cantos disponíveis.

E faz bem ficar a olhar para elas e ver como, apesar de tudo e contra tudo, todos os anos renascem.

Se calhar o velho e insuportável Nero Wolf é que tinha razão: que se lixe o que vai lá por fora– a minha orquídea não desiste.

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados