Crónica de Alexandre Honrado | Porque não sou uma estante (nem um canapé)

PORQUE NÃO SOU UMA ESTANTE (NEM UM CANAPÉ)

 

 

Tenho inúmeros livros na cabeça, alguns da capa à contracapa, sei-os quase de cor; li magras edições, revistas de quadradinhos, calhamaços e coisas ditas sérias, até o Anthony Giddens me ensinou que “para controlarmos o futuro, é necessário que nos libertemos dos hábitos e preconceitos do passado”  – e todavia tudo isso não faz de mim uma estante.

Já dormiram sobre mim – e nunca fui almofada ou cama.

Já tive pessoas ao colo, algumas recém nascidas outras bem graúdas – e nunca me vi como se fosse um sofá ou uma estante, nem isso fez de mim um canapé.

Por falar em canapé, sei o que é. Também sei o que é uma chapoletada e em que contexto se usava, ou que é fazurca, tendo participado em algumas. Ouvi avós dizerem que esta e aquela coisa era chumbrega, sei o que é larica, e  sápido, e algésico, distingo uma muçurana de uma jararaca e até retive o significado de palavras que não se usam há séculos.

Tenho esta mania tão antiga que, há uns vinte anos, fiz questão de ir a um leilão e arrebatei o seguinte livro, por preço que é uma vergonha partilhar: Elucidário das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram: obra indispensável para entender sem erro os documentos mais raros e preciosos que entre nós se conservam / Publicado em Beneficio da Litheratura Portugueza Por Fr. Joaquim de Santa Rosa Viterbo.

Foi a minha prenda de anos, nesse ano. (Tenho o hábito de me dar sempre uma prenda nos anos e outra no natal, pensem lá o que quiserem).

Um livro exemplar em Beneficio da Litheratura Portugueza!!!

Da Ordem dos Frades Menores Franciscanos, Viterbo sabia muito do que escrevia, fazia-o com muito conteúdo e com a grafia mais à mão.

Eu pouco sei. Mas sei que não há uma língua de Camões pois que palavras novas parece que só inventou uma – famulento – mas sabia outras que hoje ninguém sabe, como humílimo ou inconcesso, cônsono e belígero, aliás palavras tão dele como dos castelhanos, e nem mesmo as criaturas que andam agora a gritar em nome dele como se soubessem o que dizem, sabem que palavras são essas, para que servem, ao que iam.

Arrepia-me também aquela frase do Pessoa que só tem alguma graça fora do contexto em que foi escrita pelo seu heterónimo Bernardo Soares. Arrepia-me porque lida seguida do objetivo com que a escreveu até causa calafrios:

«Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.

Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-m’a do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.»

Livro do Desassossego, Lisboa, Ática, 1982 vol. I, págs. 16-17.

Jorge Semprún terá dito, por seu turno: “a linguagem é a minha pátria.“

Mas sem plágios.

Virgílio Ferreira ganhou uma presença ampla nas citações com uma frase que deve galgar o isolamento, ganhando o contexto em que foi dita e lendo-se por completa: « Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir. Da minha língua vê-se o mar. Da minha língua ouve-se o seu rumor, como da de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto. Por isso a voz do mar foi a da nossa inquietação

Excerto do texto «A Voz do Mar», lido por Vergílio Ferreira em 1991, na cerimónia em que lhe é atribuído o Prémio Europália (Bruxelas)

Uma língua da inquietação e não da contemplação, portanto.

Não sou exemplo para ninguém e por acaso muito me pesaria e me incomodava pessoalmente se tomassem Portugal. E não sou capaz de odiar. Desculpem-me. Mesmo os que insultam quando digo coisas destas, não vos odeio, amiguinhos.

Pior ainda, sou dos que acredita que a única pátria possível é o encontro permanente com o outro, o que me leva a sair de mim a maior parte das vezes, sobretudo a sair de zonas de conforto, a não comprar brigas – porque as batalhas não permitem perder tempo.

Nada do que escrevemos faz, definitivamente de nós coisas remotas, em especial se nos decidirmos pela liberdade (“para controlarmos o futuro, é necessário que nos libertemos dos hábitos e preconceitos do passado”).

Em conclusão, definitivamente, não sou uma estante ou um canapé. Também não me ralo com quem está, sem grande fundamentação aposto, em folclórico desacordo.

 

Alexandre Honrado
Historiador

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados