Mafra | Tomada de posse dos órgãos distritais da Lisboa da Juventude Popular

A organização distrital de Lisboa da Juventude Popular decidiu fazer ontem, em Mafra, no Auditório D. Pedro V, a tomada de posse dos seus órgãos eleitos. Numa sala a transbordar, com muito atraso, relativamente à hora marcada, pecha que não é só dos populares, mas que quase todos os portugueses tomam já, infelizmente, como uma tradição nacional a proteger, os jovens populares deram posse aos seus órgãos distritais recentemente eleitos.

Os deputados João Almeida e João Gonçalves Pereira deram peso político a esta cerimónia, incentivando os jovens populares a uma colaboração estreita com o CDS-PP, nomeadamente nos actos eleitorais programados para 2019, eleições europeias e legislativas. Presente também o Presidente da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos.

Procedeu-se pois á tomada de posse aos membros da Comissão Política da Distrital de Lisboa, com mandato para os próximos dois anos, tendo por Presidente da Mesa do Plenário Distrital, Tomás Pegado, da Concelhia de Mafra e como Presidente do Comissão Política Distrital, Tomás Monteiro.

Tomás Monteiro, num discurso incisivo, marcou as prioridades politicas da JP no distrito de Lisboa, passando pela criação de núcleos da JP nas escolas de todos os concelhos, pelo impulso às componentes relacionadas com a comunicação e pela criação de condições para marcar a agenda política no distrito de Lisboa, tornando a JP na juventude partidária mais activa, “queremos um distrito á direita”, referindo depois, num assomo de algum voluntarismo e arrancando muitas palmas, que “queremos Cristas como primeira ministra”.

João Gonçalves Pereira, deputado do CDS-PP manifestou a vontade de ver o presidente da JP eleito deputado nas listas do partido, tendo apelado à unidade interna entre o partido e a JP. A forma como este apelo foi expresso e a acutilância utilizada depois por Tomás Monteiro no seu discurso, referindo-se a este mesmo tema, deixaram no ar a ideia de que nem tudo vai bem entre o CDS-PP e a sua juventude.

Tomás Monteiro, Presidente da JP, puxou pela juventude popular, pedindo a atribuição de maiores responsabilidades no partido e pedindo maior autonomia. A JP quer ser ouvida pela direcção do CDS-PP e quer que as suas posições sejam tomadas em consideração quando o partido apresenta propostas ou manifesta opinião. Lançou algumas “farpas” ao actual PSD, “não há só duas opções para a juventude, ser muito socialistas (PS) ou ser pouco socialistas (PSD)”, reafirmando assim que o CDS-PP é um partido de direita e sem complexos, posição que ficou claramente marcada quando afirmou a dicotomia Isabel Moreira/Adriano Moreira.

Uma clara demonstração de vitalidade da JP distrital de Lisboa e um levantar de cabeça da JP concelhia dirigida por Tomás Pegado. Veremos se será suficiente para que o CDS-PP mantenha ou aumente a sua votação em Lisboa, e para que CDS-PP e JP consigam, paulatinamente que seja, recuperar os votos perdidos no concelho de Mafra.

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados