Vamos à Farmácia | Alimentos que interferem na coagulação

Vamos à Farmácia | Ana Quintela

 

Alimentos que interferem na coagulação

Na prevenção da formação de coágulos sanguíneos em doentes com grande risco de trombose é necessária a toma de medicamentos anticoagulantes. Continuam a ser ainda muito prescritos anticoagulantes antagonistas da vitamina K, sendo a varfarina (Varfine®) o mais conhecido e utilizado.

Estes anticoagulantes diminuem a coagulação sanguínea interferindo com a vitamina K e têm inúmeras interacções com outros medicamentos, alimentos e plantas que afectam a sua eficácia e segurança. Por isso, os doentes a tomar estes anticoagulantes têm de fazer um controlo periódico da coagulação, medindo os valores de INR, para ajustar as doses. Se os valores estiverem baixos, há risco de trombose, mas se estiverem altos aumenta o risco de hemorragia. Ou seja, como é fundamental que a janela terapêutica esteja bem controlada, todo tipo de factores que interferem com a medicação devem também ser geridos e controlados.

Embora a nossa alimentação varie diariamente, é importante para qualquer doente a tomar anticoagulantes ter algum conhecimento dos alimentos que podem interagir com a sua coagulação.

 

Há muitos alimentos que podem alterar os parâmetros de coagulação.

Todos os alimentos que diminuam a acção do medicamento anticoagulante aumentam o risco de formação de coágulos. Normalmente são alimentos com grandes quantidades de vitamina K, como a grande maioria dos legumes e verduras, algumas ervas aromáticas como a hortelã, as uvas, algumas leguminosas (ervilhas, grão, lentilhas) e óleos e gorduras (azeite, óleo vegetal, atum em óleo).

A manga deve ser evitada por ter uma grande concentração de retinol, que no nosso organismo inibe uma determinada proteína, causando um aumento dos valores de INR, ou seja, aumenta consideravelmente o risco de hemorragia. Outros alimentos como o alho, a papaia, o aipo também são conhecidos por poderem aumentar este risco de hemorragia.

Quanto à toranja, é dos alimentos que mais interacções medicamentosas pode originar. No caso destes doentes anticoagulados a toranja amplia consideravelmente o efeito da medicação, aumentando assim o risco de hemorragia.

Deve também limitar as bebidas alcoólicas visto que o consumo de álcool se não for moderado interfere com as vias metabólicas do fígado aumentando mais uma vez o risco de hemorragia.

 

Diversos produtos naturais interagem com os anticoagulantes.

É de notar que suplementos naturais, plantas e chás podem também ter sérias interacções com os medicamentos anticoagulantes. Estudos mostram que os doentes que mais abusam de produtos à base de plantas são os que têm mais dificuldade em controlar os valores de INR.

Como exemplo, o chá verde que embora tenha muitos benefícios para a saúde, se tomado em grande quantidade interage seriamente com o varfine. Adicionalmente, devem também ser consumidos em precaução a valeriana, a camomila, a equinácea e o hipérico (que interage com inúmeros medicamentos).

 

É importante tomar atenção com os suplementos alimentares.

Se está a tomar anticoagulantes, é fulcral que aquando da compra de qualquer suplemento alimentar verifique os seus componentes. Há muitos suplementos que contêm vitamina K, pelo que estão contraindicados.

Quanto à escolha de suplementos alimentares para a fadiga, muitos contêm ginseng como estimulante. Mas, o ginseng aumenta o efeito desta medicação, ou seja o risco de hemorragia aumenta também, pelo que não pode tomar estes suplementos.

É comum que mulheres na menopausa recorram a suplementos com extractos de soja, no entanto, a soja tem muita vitamina K e não pode ser consumida por doentes anticoagulados com varfine.

Para as infecções urinárias existem já diversos suplementos à base de arando, mas este fruto vermelho aumenta a incidência de hemorragia nestes doentes.

Muitos suplementos para a memória, concentração, zumbidos, circulação das mãos e pés, contém ginkgo biloba, mas esta planta aumenta o risco de hemorragia por aumentar a acção do anticoagulante.

Quanto à suplementação com ómegas, à base de óleos de peixe, deve ter também em atenção que pode aumentar os níveis de INR, aumentando o risco de hemorragia.

 

Inúmeros alimentos, suplementos e outros produtos naturais podem interagir com estes anticoagulantes, pelo que se está a tomar este tipo de medicação deve ter o cuidado de manter uma alimentação constante e escolher suplementação adequada e compatível com a medicação.

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados