Sintra | Programa da 7.ª Edição do Festival Periferias

De 1 a 11 de Março decorre mais uma edição do Festival Periferias – Festival Internacional de Artes Performativas.

O Periferias é “um festival com Teatro, Dança, Performance, Marionetas, Música, Animação de Rua, Espectáculos de Rua, Feira do Livro das Artes Performativas, Exposições, Conversas Periféricas, Fringe (um espaço para short stories) e Oficinas. Entre estas destacamos uma Oficina Inclusiva que se destinará a crianças com diferentes patologias”.

 

Programa

Dia 1 de Março

9h30 e 11h00 | espaço hipopómatos na lua na biblioteca municipal de sintra
Contos: Contos Tradicionais – Adriano Reis (Cabo Verde)
STÓRIAS DE LÁ! é uma viagem que propõe contar, quando não havia luz eléctrica e televisãona vila onde cresci, como tínhamos pressa em terminar as nossa tarefas (ir buscar água àfonte, apanhar a lenha para fazer a cachupa, recolher os animais no curral, etc.,etc.).

19h00 | MU.SA
Música: Reportório Osório | D’orfeu (Águeda)
“Reportório Osório” é uma coleção de canções, aliando a escrita sagaz de Luís Fernandes à magistral música de Luís Cardoso. Um desfiar de histórias pessoais no masculino, quase sempre íntimas, do dilema ao dilúvio em poucas estrofes. O quotidiano das relações afetivas transformado em canções irónicas (para não lhes chamar heróicas), em que a teatralidade da interpretação só reforça o perfil de cada personagem. O resto são… canções, as mais belas canções de úmor.

23h00 |  Legendary Café
Teatro: Luto | Faísca Teatro (Portugal)
“Luto” é sobre Adê: uma mulher sem pais nem país. Adê, sentada à cabeceira de uma mesa, toca o seu instrumento e divaga sobre Hamlet. Acha‐se rainha, a mulher de Luto pela sua fantasia. ”Sinto‐me profundamente só. E quando digo profundamente, quero mesmo dizer profundamente. Não se trata de mais um floreado poético. De profundis.” Este espetáculo é uma insónia, um frente a frente de uma personagem com as suas convicções. A morte poderá ser apenas a desistência.


Dia 2 de Março

21H30 | Casa De Teatro De Sintra
Teatro: Paradjanov ou a celebração da vida | Asta Teatro (Covilhã)
Dizem que sou um criminoso, pois guiaram-se apenas pelas aparências que fabricaram e pela deturpação dos meus sonhos… retalharam-me o corpo e a alma com os seus punhais de mentiras…
A minha vingança é o amor. Conseguem ouvir-me? Ouvem-me bem? A minha vingança é o amor.
Luzes. Câmara. Ação!
Bilhetes: 7,50 €


Dia 3 de Março

21h30 | Palácio Nacional de Queluz
Ópera de Câmara: Tabacaria | Inestética (Vila Franca De Xira)
Adaptação inédita para ópera do poema “TABACARIA”, de Álvaro de Campos, para barítono, soprano e ensemble.
A estranheza da existência e a incompreensão do real são os temas centrais desta abordagem contemporânea a um dos mais belos poemas de sempre, escrito em 1928 por Álvaro de Campos, heterónimo de Fernando Pessoa.
Bilhetes: 12,50€


Dia 4 de Março

16h00 | Centro Cultural Olga Cadaval
Marionetas: A Casa Dos Ventos | Mandragora (Gondomar)
“A casa dos ventos” é uma casa e é uma viagem. É uma casa em viagem. Qual a dimensão de uma casa?, pode uma pessoa ser uma casa?, necessita uma casa de paredes?, pode uma casa ser um local, uma língua, um país… ?
Este espetáculo narra uma viagem de duas personagens em busca de manterem a sua forma de estar, o seu espaço de afetos e emoções num mundo em transformação. Numa grande cidade, uma velha, Alba e Maria tentam atravessá-la carregando um moinho de vento às costas na procura de uma nova colina que lhes garanta um local para viverem. Mas a cidade respira, oprime e fascina.
Bilhetes: 12,50€

21h30 | Casa de Teatro de Sintra
Teatro: Um Encuentro com Miguel Hernandez | Teatro Guirigai (Badajoz – Espanha)
Como mestres de uma cerimónia, três intérpretes convidam o espectador a encontrar os momentos vitais de Miguel Hernández: infância, adolescência, primeiros amores, chegada a Madrid, emoção antes da criação, república, guerra, prisão. Os versos de Miguel Hernández e uma banda sonora representativa compõem a dramaturgia de A. Iglesias, que mostra a jornada vital de uma geração de jovens artistas numa época de transformação ansiosa. Os artistas dançam, sonham, sofrem, riem, lutam, apaixonam-se… criando com sua voz e movimento, uma coreografia de emoções em estreita relação com o espectador.
Bilhetes: 7,50 €


Dia 6 de Março

9h30, 11h,00 14h00 E 15h30 | Espaço hipopómatos na lua na Biblioteca Municipal de Sintra
Escolas no Periferias: Desenhos Com Luz | António Jorge Gonçalves (Pt)
Uma mão desenhadora grande e várias mãos desenhadoras pequeninas.
Um projector com luz que desenha na parede.
Vamos adivinhar figuras? Vamos inventar histórias para elas? Tudo, sob o comando de António Jorge Gonçalves.


Dia 7 de Março

9h30, 11h00, 14h00 E 15h30 | Espaço Hipopómatos Na Lua Na Biblioteca Municipal De Sintra
Escolas no Periferias: Do alto do meu chapéu! | Renata Bueno (Br)
A artista Renata Bueno parte do livro “Do alto do meu chapéu” com poemas escritos a partir de papercuts feitos há muitos anos por Hans Christian Andersen para criar encontros de palavras e imagens, desafiando a criação de novos trabalhos com a simetria do papel dobrado e cortado.
Conhecido em todo mundo por seus contos de fadas, o autor dinamarquês deixa-se revelar pela habilidade que tinha também com o papel e a tesoura.
Papel e a tesoura que agora retomam e recriam poemas, histórias, personagens… numa liberdade poética despertada por um olhar atento e sensível.

22h00 | Sabot Bar
Teatro: Uma Coisa Ao Vivo | Tânia Safaneta (Sintra)
Um espectáculo ao estilo de Stand-Up comedy com uma ou mais personagens desconcertantes e surpreendentes. Um desafio para o espectador provocado espontaneamente pela, já afirmada, Clown Tânia Safaneta.


Dia 8 de Março

9h30, 11h00, 14h00 E 15h30 | Espaço Hipopómatos na Lua na Biblioteca Municipal de Sintra
Escolas no Periferias: Teatro – Atividário | André Letria (Pt)
Este Teatro que nasce lá atrás, nos bastidores da história, é português, por vezes vê-se grego e até fala francês: oh lá-lá, Molière, avant-scène, Scaramouche.

19h00 | MU.SA
Música: Concerto de Jazz/Blues | Moonshiners (Sintra)
Grupo sintrense que faz o seu caminho musical com os seus originais com uma sonoridade próxima do Blues, é sem dúvida uma boa ocasião para ouvir, ao vivo, a sua música e deixar-se envolver pelas obras de arte expostas no MU.SA.

21h30 | Centro Cultural Olga Cadaval
Teatro: O Homem Da Guitarra | Manuel Wiborg (Lisboa)
O músico de rua é o ponto de partida e de chegada para este lindíssimo monólogo de Jon Fosse. Um espectáculo retrata a curva descendente de um homem até a desistência dos seus sonhos, das ambições da sua vida. Um texto poético, pungente de melancolia e compaixão. Um espectáculo que não nos deixa indiferentes.
Bilhetes: 12,50€

23h00 | Legendary Café
Teatro: Uma Coisa Ao Vivo | Tânia Safaneta (Sintra)
Um espectáculo ao estilo de Stand-Up comedy com uma ou mais personagens desconcertantes e surpreendentes. Um desafio para o espectador provocado espontaneamente pela, já afirmada, Clown Tânia Safaneta.


Dia 9 de Março

9h30, 11h00, 14h00 E 15h30 | Espaço Hipopómatos na Lua Na Biblioteca Municipal De Sintra
Escolas no Periferias: Máquina da Poesia | Miguel Horta (Pt)
Uma oficina de escrita poética é a proposta de Miguel Horta. A metodologia da “Máquina da poesia” permite a construção de pequenos versos, geradores de imagens expressivas, a partir de um quadro de palavras. Ilustrá-los é o passo seguinte.

21h30 | Casa de Teatro de Sintra
Performance: Tchon Di Balanta | Welket Bungué (Guiné Bissau)
Guiné-Bissau, Portugal, Brasil, Cosmo. O universo e três culturas distintas se reúnem num só corpo, voz, indivíduo. O migrante tem origem, o nacionalizado permanece estrangeiro, o cidadão é ainda um ser livre e ao mesmo tempo politizado?! Balantas são originários da Guiné-Bissau, país situado na costa ocidental da África, e Welket é hoje também e ainda balanta, mas cresceu numa Europa pós-moderna, viveu em Portugal e no Brasil. ‘TCHON Di BALANTA’, é dança, movimento e musicalidade que se inscrevem sob o desejo de um indivíduo desbravar o que lhe resta da sua herança cultural de origem africana, e o homem pós-moderno europeu-ocidentalizado em que se viu tornar.
Bilhetes: 7,50 €


Dia 10 de Março

16H00 | Espaço Hipopómatos na Lua – Biblioteca Municipal de Sintra
Contos: Estórias e Contos Tradicionais | Ângelo Torres (Guiné Eq.)
Espaço para a família, principalmente para opúblico mais novo, paraouvir estórias e contos que vem da tradição oral. Sonoridades e palavras novas que se quer ouvir. Estórias de heróis ou de pessoas comuns, contos ou lendas que se perdem nos tempos, mas que nos trazem sempre algo para aprender.

21h30 | Casa de Teatro de Sintra
Performance: Preta | Giovanni Lourenço (Angola)
PRETA parte das memórias do criador, do período em que nos anos 90, chegado de Luanda, passa a viver no Bairro do Fim do Mundo. O corpo reencontra os gestos e os itinerários da transição da infância para a juventude. Preta era a cadela feroz que delimitava a fronteira entre a casa e a escola, obrigando a experimentar movimentos de fuga, de silêncio e de transgressão. Uma performance sobre 2 universos distintos, territórios fechados sobre si próprios, e as possibilidades de ligação entre eles.
Bilhetes: 7,50 €


Dia 11 de Março

16h00 | Centro Cultural Olga Cadaval
Marionetas: La Dernière Dance de Brigitte | Cia Zero En Conducta (Barcelona – Espanha)
Um projeto de mímica corporal, fantoches, dança e teatro visual ao serviço de uma história sem texto impossível de narrar com palavras.
Bilhetes: 12,50€

21h30 | Casa de Teatro de Sintra
Teatro: Dois Tiros e uma Gargalhada | Companhia de Teatro de Sintra – Chão De Oliva / Grupo Teatro Oprimido (Portugal / Guiné-Bissau)
Em “Dois tiros e uma gargalhada” encena-se a sabedoria dos “homens grandes”, principalmente a dos mais velhos, que, por sê-lo, carregam consigo um conhecimento milenar e práticas que vão além do real empírico. Por essa razão, eles têm a força de disseminar seus conhecimentos, terminando por restabelecer uma ordem simbólica que parecia e ainda parece perdida. Daí o provérbio que abre e fecha o texto: “Mo no yadekaartatayoyobhokolannata”( “Quem parte para uma viagem sem data de regresso que leve bagagem completa”).
Bilhetes: 7,50 €


Outras Actividades
De 1 a 11 de Março – terça a sexta das 10h às 18h & sábados e domingos das 12h às 18h | mu.sa

Exposição: Manifestações Teatro Popular – Bugios e Mourisqueiros
No intuito de reflectir sobre a transversalidade das Artes Performativas e sua efectiva valoração eparticipação por parte da comunidade, contribuindo cada vez mais para uma cidadania mais plena, efectivae conjunta, mostramos no Periferias a exposição “Bugios e Mourisqueiros”. Estes, fazem parte da festa da Bugiada e Mouriscada, uma das expressões culturais mais marcantes e identitárias, a qual se baseia numa lenda que nos remete para os tempos da ocupação da Península Ibérica pelos Mouros.

De 1 a 4 e 7 a 11 de Março | Espaço Periferias – Estefânea (Sintra) | Publico em Geral

Feira do livro de artes performativas
Feira do Livro única no país onde só se encontram livros sobre as várias Artes Performativas. A Feira do Livro de Artes Performativas, que o Festival Periferias organiza desde a terceira edição vai beber nesse passado e terá nesta edição mais de seis centenas de títulos que vão desde o teatro, à dança, passando pelas marionetas, a música ou a performance, e que serão disponibilizados a preços especiais, constituindo assim uma oportunidade única para os amantes,  interessados ou curiosos, profissionais ou amadores, das artes performativas.

 

Dias 1, 3, 4, 8 e 10 de Março | Tânia Safaneta (Clown) | Ruas da Estefânea e Centro Histórico

Animações de Rua
Esta iniciativa pretende contagiar a geografia de Sintra, a partir da Casa de Teatro de Sintra, mesmo com as incógnitas condições climatéricas de Sintra.
Daí a programação de espectáculos nas duas semanas de duração pública do evento, animando o quotidiano, divulgando e partilhando com habitantes e passantes, a festa do Festival, na Estefanea, no Centro Histórico, Queluz, Agualva.

 

Dias 28 De Fevereiro, 2, 7 E 9 De Março | Tânia Safaneta (Clown) | Comboios da Linha de Sintra

Animações nos Comboios
O festival Periferias também se estende à linha de Sintra. Mais do que dar a conhecer o festival internacional de artes performativas em Sintra, é uma maneira de levar a festa e a alegria que se sente no Periferias àqueles que usam os comboios. Na primeira quinzena de Março andar de comboio é especialmente “Periferifelizcómico”

 

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados