Vamos a Farmácia

 

Diabetes – Já chega de picadas nos dedos!

 

Entre doentes diabéticos começa a ser de cada vez mais divulgado o sistema FreeStyle Libre. Este sistema, que ainda há pouco mais de um ano foi anunciado, promete facilitar o controlo da diabetes em doentes dependentes da insulina que requerem diariamente de múltiplas picadas no dedo. O FreeStyle Libre é no fundo um glicosímetro que permite efectuar múltiplas leituras de glicémia ao longo do dia, indolores, sem nunca mais ter de picar o dedo.

 

Produto do Ano 2017

É um sistema que teve muito boa aceitação pelos consumidores diabéticos e foi inclusivamente premiado de Produto do Ano 2017. Este é um prémio reconhecido internacionalmente, que através de votos directos dos consumidores premeia produtos que se destacam pela inovação.

 

Quem beneficia realmente deste sistema?

Todos os diabéticos que tenham necessidade de picar múltiplas vezes o dedo durante o dia são os que mais beneficiam do seu uso. Tratam-se portanto de doentes diabéticos de tipo 1 ou de tipo 2, mas principalmente os insulinodependentes, diabéticos com grandes flutuações na glicémia, ou por exemplo diabéticos que pratiquem muito exercício físico.

Quanto mais vezes forem feitas as picadas ao longo do dia para medir a glicémia, mais fácil é perceber a sua tendência e assim evitar picos ou hipoglicémias. E é por isso que se torna útil este sistema, permitindo múltiplas medições por dia e evitando as picadas.

 

 

Como funciona?

É basicamente um sistema flash de monitorização de glicose, que pode ser usado a partir dos 4 anos de idade. Inclui um aparelho para efectuar leituras de glicémia e um sensor que é colocado na parte posterior do braço. Trata-se de um pequeno sensor redondo que pode medir a glicose no sangue a cada minuto. Este sensor tem a duração de 14 dias, sendo necessário substituí-lo após esse período. Adicionalmente, é um sensor resistente à água do duche e ao exercício físico. Quanto aos praticantes de natação, é resistente a 1 metro de profundidade, durante 30 minutos.

O aparelho que efectua as leituras deve ser utilizado pelo menos a cada 8 horas para que se verifique e transfira os valores gravados e para que se perceba a tendência da glicémia. A leitura demora um segundo e é obtida encostando apenas o leitor ao sensor, podendo até mesmo ser efectuado através da roupa. O leitor elabora gráficos simples com as suas glicémias e pode armazenar até 90 dias de dados, desde que faça pelo menos uma leitura a cada 8 horas.

 

Não tem só como vantagem evitar as constantes picadas no dedo, pois este sistema inovador permite verificar a tendência dos valores de glicémica. Ou seja, quando é feita a leitura esta indica a tendência da glicémia de acordo com as alterações dos valores, pelo menos nas últimas 8 horas. Deste modo, ao contrário do método de picadas isoladas nos dedos, este sistema permite uma vigilância muito mais eficaz da diabetes.

É possível controlar a doença muito mais eficientemente, pois com tantas medições que efectua, este sistema permite antecipar subidas de glicémia, podendo administrar logo as doses de insulina adequadas antes que chegue a valores preocupantes. Por conseguinte, é possível fazer ajustes na dieta, compreendendo o regime alimentar mais adequado nestes doentes diabéticos. Assim sendo, com este sistema torna-se mais fácil educar o doente para a diabetes, evitando assim eventuais idas ao hospital e contribuindo para um prognóstico mais positivo da doença.

Doentes com glicémias controladas são pessoas que vão ter uma vida mais longa e saudável, com uma menor probabilidade de posteriormente desenvolverem neuropatias associadas à doença e sem o desgaste físico e alterações de humor decorrentes das variações na glicémia.

 

Quais os custos associados do aparelho? É comparticipado?

Neste momento, enquanto o Estado não considere comparticipar este aparelho, os encargos são elevados. Não se trata apenas da aquisição do leitor de glicémia que tem um custo de 59.90€, mas é também necessário adquirir os sensores que apenas duram 14 dias. Cada sensor tem também um custo de 59.90€. Para novos utilizadores há a hipótese de compra de um kit inicial com o custo de 169.90€, que traz o leitor e dois sensores.

Sendo assim, como se pode verificar para quem já possui o aparelho, o custo mensal em sensores é cerca de 120€. Por conseguinte surgem questões relativamente à comparticipação deste aparelho, visto ter um valor monetário incomportável para inúmeras pessoas que sofrem da doença e não têm meios para despender de tanto dinheiro todos os meses.

Note-se que têm sido feitos esforços para que o aparelho e os sensores sejam comparticipados pelo Estado. O presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia (SPD) defende a comparticipação desta tecnologia. E no ano passado foram recolhidas quase 10 mil assinaturas, tendo sido entregue uma petição pública em Novembro de 2016 que pede a comparticipação deste medidor pelo Estado.