10 JAN 2017 | Vamos à Farmácia | Ana Quintela

Cuidados de higiene em doentes com cancro 

 

Os doentes oncológicos devido à doença e ao cariz de medicação que fazem devem ter alguns cuidados de higiene específicos e redobrados de forma a evitar complicações no seu estado de saúde.

 

Lavar as mãos

Lavar as mãos com frequência é essencial. Devem ser lavadas com água em abundância e com o cuidado de limpar também debaixo das unhas, que devem ser mantidas curtas. O cuidado de lavar as mãos com frequência deve ser feito pelo doente e estendido a todos os que lhe prestam cuidados.

 

Contacto com outros doentes

É importante evitar que o doente oncológico entre em contacto quem tenha alguma doença infectocontagiosa, mesmo que seja uma simples gripe ou constipação. Pode ser necessária a utilização de uma máscara protectora para evitar contágio.

 

Durante o banho

Os banhos regulares são necessários. Mesmo que o doente esteja acamado.

Durante o banho é importante usar água morna e aplicar um gel ou creme de banho que tenha propriedades hidratantes. Note-se que o pH na pele é cerca de 5,5 e esse valore devem ser respeitados aquando da escolha de produtos para a pele.

 

Cuidar da pele

Na doença oncológica, devido ao tipo de medicação que é necessária, a pele tende a ficar seca e mais frágil o que pode levar ao aparecimento de vermelhidão, de alguma descamação e prurido (comichão).

É essencial a escolha de cremes emolientes com grande capacidade hidratante, sem parabenos e sem perfume. É importante não esquecer que também os lábios devem permanecer hidratados de forma a prevenir o aparecimento de fissuras. A utilização de protectores solares é fundamental. Embora sejam mais espessos, por vezes é preciso utilizar apenas protectores solares exclusivamente minerais (sem filtros químicos).

Relativamente ao uso de desodorizantes, estes não devem ter álcool nem sais de alumínio.

 

Dificuldade em urinar

As idas à casa de banho em doentes oncológicos são por vezes difíceis uma vez que alguns medicamentos têm como efeito secundário a dificuldade em urinar e a obstipação. Nesses casos é necessário que as idas à casa de banho sejam num ambiente sossegado e privado. No caso de permanecer a dificuldade de urinar ou até mesmo a obstipação com a toma de laxantes, é importante contactar o médico assistente.

 

Saúde Oral

A saúde oral em doentes oncológicos é fulcral dado que a mucosite oral é um dos efeitos secundários mais comuns durante a quimioterapia. A mucosite oral é uma inflamação na boca que causa muito desconforto e pode evoluir para uma infecção grave levando ao aparecimento de febre e a uma proliferação bacteriana e fúngica na boca. É uma situação que pode exigir internamento hospitalar e que interfere negativamente com a qualidade de vida dos doentes.

Portanto, o ideal é prevenir. Antes e durante períodos de tratamento com quimioterapia ou radioterapia deve ser mantida uma boa higiene oral de forma a evitar o desenvolvimento de fungos ou bactérias na cavidade oral. Quando a mucosa de encontra sensível é importante evitar alimentos ácidos e condimentados e escolher antes alimentos suaves, fruta macia (cozida), cortar os alimentos em pedaços pequenos e utilizar molhos para humedecê-los.

PubPUB

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!