21 MAR 2017 | Vamos à Farmácia | Ana Quintela

Alternativas ao leite de vaca

 

Temos de cada vez mais opções no supermercado relativamente à compra de leite. Quando compramos leite, a escolha já não se trata de gordo, meio gordo ou magro. Mesmo que não tenhamos nenhuma alergia ao leite de vaca, nem intolerância à lactose, podemos sempre experimentar e variar a nossa dieta.

 

Leite de Soja

Há anos atrás, o leite de soja foi o primeiro leite de origem não animal a entrar na nossa alimentação. É extraído através de grãos de soja moídos. De todas as alternativas de origem não animal, este é o que tem maior quantidade de proteína e é também uma boa fonte de potássio.

No entanto, sabe-se que os derivados da soja podem ter acções semelhantes aos estrogénios, pelo que o seu consumo excessivo é desaconselhável em homens a tentar aumentar a massa muscular. Quanto ao tipo de proteína presente na soja, embora seja em grande quantidade e tenha um efeito saciante, este leite tem níveis mínimos de leucina, que é um aminoácido essencial na formação de massa muscular.

Uma desvantagem deste leite é o seu sabor forte e desagradável para alguns, mas ao longo dos anos têm sido feitas alterações à sua produção de forma a melhorar esta característica. Adicionalmente, a maioria da soja produzida é geneticamente manipulada para se obterem rapidamente grandes quantidades deste alimento e por esse motivo não é uma boa alternativa para quem evita o consumo de OGM (Organismos Geneticamente Manipulados).

 

Leite de Amêndoa 

É extraído de amêndoas peladas, não tem gorduras saturadas e cada copo tem entre 30 a 60 calorias, pelo que é muito apelativo durante dietas de perda de peso. Tem uma elevada quantidade de vitamina E, o que lhe confere uma forte acção antioxidante bem como benefícios na saúde cardiovascular e muscular, ajudando a uma melhor recuperação pós-exercício físico.

De forma a extrair o leite de amêndoa, alguns emulsificantes são necessários para purificá-lo e melhorar a sua textura, como acontece em qualquer outra bebida não láctea. Através de um estudo em animais pensa-se que estas substâncias a longo prazo se consumidas em excesso podem ter um impacto negativo na saúde intestinal.

 

Leite de Aveia 

Este leite é o líquido extraído quando se demolha aveia em água. Sabe-se que a aveia ajuda a reduzir o nível de colesterol e que contem hidratos que libertam energia lenta e prolongadamente ao longo de um extenso período.

É um leite que tem glúten, embora em reduzida quantidade. É importante verificar os níveis vitamínicos nestes leites, pois nem todos são devidamente enriquecidos com vitaminas e cálcio.

 

Leite de Caju 

A nível de textura é dos leites que se aproxima mais ao de vaca. Normalmente é enriquecido com vitamina B12, zinco, cálcio e vitamina D.

É um leite com um teor de calorias muito baixo. Porém o caju é um fruto com um teor calórico muito elevado, o que nos faz perceber que este leite durante a produção é extremamente alterado e sofre uma grande adição de água.

 

Leite de coco

Este leite obtém-se através da adição de água ao líquido espremido do coco ralado. Na compra de leite de coco escolha sempre embalagens em cartão e nunca em lata. O leite de coco em cartão tem um teor calórico muito mais reduzido e as cartonagens não contêm o químico BPA.

No entanto, este leite tem um teor proteico muito reduzido, pelo que sacia menos e requer a introdução de mais fontes de proteína na dieta.

 

Leite de Arroz

É produzido pela adição de arroz cozido e água juntamente com enzimas que convertem o amido em açúcares simples. Este leite é portanto uma boa alternativa para sobremesas, batidos e algumas bebidas com café que necessitem ser adocicadas. O leite de arroz é normalmente enriquecido com cálcio e vitamina D. É também uma opção segura para quem sofre de alergias alimentares devido ao seu carácter hipoalergénico.

Tem um elevado teor calórico, pelo que é um leite desaconselhado em dietas que requeiram um baixo consumo de carboidratos.

 

Leite de Cabra 

Decidi adicionar a esta lista uma alternativa ao leite de vaca, mas também de origem animal, pois o leite de cabra tem menos lactose e tem moléculas de gordura mais pequenas que o leite de vaca. Esta propriedade faz com que o leite de cabra seja digerido com mais facilidade e mais rapidamente, minimizando o desconforto digestivo que o leite de vaca pode causar.

Tal como o leite de vaca, este é um leite com um teor calórico elevado e infelizmente tem uma substância que se liga à vitamina B12 que obtemos através de outros alimentos, impedindo que o nosso organismo a absorva. É de notar que a carência de vitamina B12 causa um tipo de anemia e que alguns estudos já relacionaram a existência de anemia em crianças com o consumo de leite de cabra.

 

Em suma, actualmente há diversas alternativas ao leite de vaca. No entanto, o leite de vaca continua a ser dos leites mais completos relativamente a proteína, cálcio e vitaminas. O seu consumo excessivo começa a ser associado a um risco aumentado de cancro e é de facto um leite com níveis de ferro muito reduzidos. Por estes motivos, não devemos exceder o seu consumo para que tenhamos a possibilidade de manter uma alimentação variada e equilibrada.

 

PubPUB

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!