Crónica de Alexandre Honrado | Passos perdidos

Passos perdidos o que coelho pode ensinar-nos?   Dou aulas. Há muitos anos. Menos do que faço é o muito que observo no fazer à minha volta. Quando alguém dá aulas, prepara-se. Sabe o que diz. Estuda muitos anos para chegar a patamares onde a própria exigência do ensino reclama a preparação. Quando estamos no Ensino dito Superior temos de dar provas. Fazer cursos, primeiro; mostrar aos outros o que aprendemos, depois. Escrever papéis científicos, ir a conferências, sofrer a dignidade de todos os escrutínios.  Escutar os nossos pares e…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | Para acabar de vez com a cultura

Para acabar de vez com a cultura   Já escrevi muitas vezes sobre as rotações verificadas na cultura contemporânea, as mais das vezes desagarradas de outros tempos culturais em que a ideia de construção cultural era muito distinta da que vamos tendo. Nota-se, sobretudo na cultura erudita, uma composição que para uns é bizarra e para outros é triunfante, pela teimosia da luta entre valores que se foram chegando à frente. Há muita polémica, sobretudo entre os conservadores, que odeiam ser desagregados das suas plataformas de falência.  Estão contra Bod…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | Urbano Tavares Rodrigues

Urbano Tavares Rodrigues Aqui tão perto Estava aqui a ler Urbano Tavares Rodrigues. Sempre o tive em grande estima e ele deu-me duas ou três provas de que eu não lhe era completamente indiferente. Tenho livros dele com dedicatórias únicas, dessas que não se fazem a correr diante da fila dos leitores da Feira do Livro, alguns entregues em mão entre conversas fortes e críticas ágeis, eu a aprender a desdobrar-me e ele como as bandeiras ao vento. Tão forte era ele, e todavia tão semelhante aos pássaros e a…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Da ilha da água onde se morre de sede

Não há muitos lugares onde a contradição seja tão marcada: o Sri Lanka é uma ilha robusta, verde e autêntica, onde a chuva é muito comum e a população parece viver numa paz interior que contagia, ouvindo-se a palavra Theravada1 em cada passo. Mas as contradições são evidentes: a abundância das chuvas não equivale à abundância de água potável e as populações sofrem grandes restrições. E a sua pacificidade é quebrada na mobilização permanente do exército que recebe ordens da capital, Colombo, e que, sobretudo, teme os (autodenominados) tigres Tamil,…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | A cultura que não serve para nada

A cultura que não serve para nada É a mesma que nos falta Um dos maiores entraves aos estudos de cultura, para além das múltiplas definições e surpresas que o termo – cultura – tem sempre à nossa espera, nem todas pacíficas ou consensuais, prende-se com o facto de que ao investigador, ao cientista, a distância capaz de garantir um bom resultado para a sua análise tropeça sempre naquilo que traz consigo e que é, afinal, a sua própria cultura. Assim, ao pegarmos num exemplo qualquer – hipertexto, cultura urbana,…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Os únicos a olhar o céu

Ponho-me muitas vezes a pensar na enorme angústia de existir de um homem como Nicolau Copérnico – Mikolai Koperkik -, astrónomo e matemático polaco, que teve a coragem de dizer ao mundo – e quando se diz “ao mundo” é sempre àquela percentagem muito pequena dos que se interessam e têm capacidade para querer entender – que o Sol era o centro de um sistema em que a Terra se incluía. Até às ideias de Copérnico imperava o Geocentrismo – a Terra sim, era o centro do sistema. A discussão…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | De cabeça perdida há quem peça a cabeça alheia

De cabeça perdida há quem peça a cabeça alheia Incapazes de vencer no jogo político, alguns políticos mobilizam-se hoje em torno da agitação e da propaganda, coisa que parece ter sido copiada a papel químico de alguns períodos extremistas da história do mundo, sendo que agora a aura estalinista brilha sobre a calva de alguns ultraliberais, pagos a peso de ouro para mudarem o regime, tanto mais que nesta fase é beneficiador dos menos favorecidos e aposta na distribuição da riqueza, o que deixa a tremer as mãos que gostam…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | A Cultura da Paz

A Cultura da Paz Ao iniciar o novo ano, com um pouco mais de tempo do que se me tronou habitual em 2017, sentei-me diante do ecrã do televisor e parei em alguns canais que, no resto do ano, não me têm como cliente. Confesso que não sou fundamentalista. Gosto muito de algumas séries; sou viciado em filmes; preciso de informação, como toda a gente e até faço alguma – hoje menos do que na época em que ser jornalista era a minha profissão maior, duro castigo esse mas que…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Natal de melga

A ideia não é nova. O grande cultor da mesma foi o checo Franz Kafka. Bom, falando com certeza, Kafka era uma metamorfose: nasceu no Império Austro-húngaro mas quando morreu a sua cidade natal era da Checoslováquia. Se voltasse ao mundo, hoje iria à República Checa para rever a sua Praga. Morreu em Klosterneuburg, que foi também Império, depois República e hoje dilui-se no mapa da Áustria. Mas não era isto o que eu queria dizer. Queria dizer que a ideia que me ocorreu já Kafka a trabalhou com veemência.…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Hoje não choveu

Nos últimos meses houve três dias de chuvas dignas, dessas intensas e que enchem barragens e elevam os caudais, dão à boca da terra alguns refrescos urgentes, sabendo todavia que, quando excessivas, provocam o vómito dos terrenos, sufocam-nos, alagam-nos e afogam-nos – a água é sempre a água, seja a do céu obscuro ou do mar inquietado. Só quando a chuva causa torrente, caudal engrossado e rápido, provoca cheias, inundações, catástrofes, somos levados a meditar na nossa pequenez – e mesmo assim não nos convencemos. É sempre culpa de alguém…

Ler mais