Crónica | Alexandre Honrado – Ao redor da verdade

Se as pedras dissessem a verdade, existiriam muito mais pedras no fundo do mar. Na intrincada rede das mentiras aparecem alguns a reclamar a verdade, sabendo-se que nada é absolutamente verdadeiro e que o que agrada a uns nunca será da boa aceitação de tantos outros. Porque a verdade – e essa parece ser a única verdade – é uma oscilação dentro de um sistema de valores. É aquilo que faz de um assassino um herói, dependendo de quem lhe põe a arma e a missão nas mãos. O que…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Em luta pela paz (sempre)

A Paz, como tema, tem vindo recentemente à tona das mais mportantes realizações do pensamento, dos centros que mais a promovem a outros que, por inesperados, são ainda mais de louvar. Não há, vendo bem, um intérprete habilitado da Paz, alguém que fale em nome dos povos. É claro que António Guterres, o Papa Francisco, o 14º Dalai Lama, Malala Yousafza ou Kailash Satyarthi, em escalas diferentes e muito pouco difundidas, têm uma palavra intensa que devemos escutar. Mas são exceções num mundo convulsivo. Há, isso sim e cada vez…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Peço desculpa

Os livros de viagens, as narrativas de viagens, o imaginário que leva qualquer um de nós às deslocações mais surpreendentes, a migração, o refúgio, o alcançar terras desconhecidas, a procura de riqueza sempre num lugar diferente daquele em que se nasceu, o melhor pasto, o mais fecundo chão, o rio mais generoso, leva-nos a partir e a ficar… O movimento está na matriz dos povos. A procura de sustento ou da caverna mais espaçosa, o clima mais pródigo ou pelo menos o lugar mais ameno: movimento. Na pré-história, as maiores…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – LEIA. Ou passe adiante.

Participei na semana passada em seminários e debates – três, para ser exato, profícuos, de força prolífera e muito cansativos, como todos os outros – dos quais saí com algumas convicções reforçadas. Em primeiro lugar que devemos estabelecer cumplicidades com a incompreensão. A ideia estonteante e muito enganadora de que compreendemos o que nos rodeia – e no que nos rodeia há o tangível e o intangível, o tridimensional e o abstrato, o bidimensional e o invisível, só para encher a linha com algumas das diferenças – é falaciosa. É…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | A ordem é sempre estranha

A ordem é sempre estranha Sentado a uma mesa, com uma tarefa preciosa: pensar. Se alguém tivesse lido Virgílio Ferreira, notaria a contradição. Há uma diferença em que se insere a interminável discussão entre os sistemas do pensar – e a indiscutibilidade daquele que é o nosso (sim, o nosso pensar, o nosso pensamento, o eu imperfeito que nos move).  Por isso, trocarei o verbo PENSAR pelo substantivo masculino alheamento. Isso! Isso mesmo! Reformulo. Estava eu a executar uma tarefa preciosa: a alhear-me. Repare-se que é na abstração que se…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | Quantos dias tem uma semana

Quantos dias tem uma semana  (quantas semanas tem um dia?) Leio informação dispersa mas muito sólida, livro após livro, e faço uma pausa olhando uma parede aparentemente branca onde alguém tatuou um desabafo.  Tenho quase inveja; sobra-me pouco tempo para as paredes que por vezes acolhem festas, celebrações difusas do que vai na cabeça de cada qual. Na última semana acabei um (excelente) livro francês sobre as revoluções russas (sim, há que registá-las no plural) e a guerra civil que se lhe seguiu; depois, li um outro título sobre os…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado Utopias no divã

Estudando, quase viciosamente, o ano de 1917, todas as matérias me despertam novas interrogações e a vontade de ter todo o tempo do mundo para ler toda a bibliografia do mundo que me possa conduzir a algumas respostas tem crescido de uma forma incontrolável. Tenho milhares de páginas à minha volta – quase mil escritas por mim ao longo de doze anos de bisbilhotice e incredulidade, pouca matéria conclusiva e muitas catapultas para os textos seguintes. O ano de 1917 não foi mais inquietante do que muitos, mas na História…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – A prenda de pensar

A PRENDA DE PENSAR   Devia falar de Marcelo que nunca governou nada ou de Cristas que criou a situação que agora a sobressalta quando tinha a pasta das florestas e quejandos a seu cargo, devia louvar a Ministra que tem dado a emoção por nós e que merecia melhor sorte ou perguntar olhos nos olhos a quem ateia os fogos quem é que lhe está a pagar, pois para que fins já o sabemos, nem adianta a formulação da pergunta. Mantenho, todavia, a lágrima segura, e não quero entrar…

Ler mais

Crónica | Alexandre Honrado – Interpreta o impensável

Interpreta o impensável     O que seria de uma vida inteira se não pensássemos? Algum estranho equilíbrio nos levaria de uma à outra ponta, do nascer ao partir, enchendo parte de nós com a vã impossibilidade de sermos nós. Pensar, mesmo assim, não seria suficiente. Seria exigível a importância de saber como fazê-lo. E ao sedimento de todos os dias a que chamamos memória e que mais não é do que a soma do que mais se evidencia no que acumulamos, qualquer coisa, mesmo simples, teria de fazer algum…

Ler mais

Crónica de Alexandre Honrado | Ainda as eleições só porque sim

Ainda as eleições só porque sim Já não estamos efervescentes com os resultados eleitorais – digo nós mas sei que é um grupo diminuto aquele que se rala com as eleições, antes, durante, ou depois delas afetarem as nossas vidas, metade do País que se impõe à outra metade (45 por cento de abstenções! Não venham depois queixar-se). Acreditem que desta vez fiz de propósito, não me meti ao barulho muitas vezes, e não, não é resultado da idade, que vai avançando e já não me move a saltar para…

Ler mais