23 MAR 2017 | Psicologia para Pais  | Marta Marchante

Como escolher um psicólogo

 

O primeiro critério para escolher um psicólogo (para si ou para o seu filho/a) deverá ser: escolher um membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Pode consultar essa informação aqui https://www.ordemdospsicologos.pt/pt/membros.

Se for atendido por um profissional que não seja membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses (ou membro estagiário com a devida supervisão), poderá estar a ser acompanhado por outro profissional que não um psicólogo devidamente habilitado para essa função. Outra vantagem é se tiver alguma dúvida sobre a conduta ética e deontológica de um membro efetivo, poderá esclarecer junto da Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Um segundo critério pode ser a localização do gabinete/consultório desse profissional. Novamente, a Ordem dos Psicólogos Portugueses disponibiliza uma página com a georreferenciação de alguns profissionais (poderá não ser uma lista exaustiva). http://encontreumasaida.pt/

Os próximos critérios, podem ser mais ou menos relevantes na sua pesquisa, mas deverá considerá-los:

  • Público-alvo: existem psicólogos cuja especialização/experiência é maioritariamente com um público: adultos, crianças, adolescentes, casais… Procure um psicólogo cuja experiência/especialização corresponde à problemática que o fez procurar este profissional.
  • Área de intervenção: a sua problemática também deverá condicionar a sua pesquisa. A psicologia está tradicionalmente dividida em área clínica (problemáticas como ansiedade, depressão ou outras patologias), educacional (problemáticas relacionadas com o sucesso escolar, orientação vocacional), social e organizacional (tradicionalmente associada à área dos recursos humanos e à intervenção comunitária), criminal/justiça e outras áreas de intervenção.
  • Linha teórica: existem muitas abordagens na intervenção psicológica, e apesar de a diferença não ser na eficácia das mesmas, algumas pessoas sentem-se mais confortáveis com determinada abordagem ao seu problema (pela sua extensão, abordamos na próxima semana este tópico).
  • Formação profissional: a experiência/especialização do psicólogo na problemática pode ser muito relevante. Está com um problema de ansiedade, o seu filho/a apresenta sinais de dislexia, considere procurar um psicólogo com experiência/especialização nessa área.
  • Afinidade: a dica mais importante, mas também a mais difícil de avaliar previamente. A terapia é mais eficaz se houver uma boa relação com o psicólogo (isto não significa uma relação de amizade prévia), assim deverá sentir-se confortável com a sua escolha.
  • Valores: o preço das sessões pode ser um critério na escolha do psicólogo. Alguns serviços públicos disponibilizam acompanhamento psicológico (centros de saúde e hospitais), assim como algumas instituições de solidariedade social. Não sendo uma norma, mas usualmente consultas gratuitas ou a baixo preço têm uma maior procura, existindo listas de espera ou a necessidade de uma menor frequência das sessões. Em sistema privado, considere que o preço por sessão refletirá a experiência do profissional.

 

 


PSICOLOGIA PARA PAIS

Uma coluna do Jornal de Mafra dedicada ao esclarecimento de dúvidas de pais e educadores sobre a infância/adolescência, tendo por objectivo, aproximar a psicologia da população em geral e aumentar as ferramentas dos educadores para lidar com os seus educandos.

 


Quaisquer questões suscitadas, poderão ser colocadas nos comentários do artigo ou directamente à autora pelo endereço electrónico marta.isabelmarchante@gmail.com

Marta Marchante é mestre em psicóloga pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa e tem trabalho desenvolvido no concelho, com crianças e adolescentes. Exerce funções no âmbito da psicologia educacional, na Ericeira, Venda do Pinheiro e Torres Vedras

PubPUB

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!