09 Jul 2017 | AUTÁRQUICAS 2017 | JM

Apresentação dos candidatos autárquicos do PSD Mafra

 

Sob o lema, “Sempre a inovar” – “Inovar para Preservar, Inovar para Qualificar, Inovar para Valorizar”, o PSD apresentou ontem num hotel da Ericeira, numa sessão em que a nota introdutória coube ao vereador Hugo Luís, os seus candidatos às eleições autárquicas de Outubro. Numa sala repleta de militantes, desfilaram os candidatos do PSD às 11 freguesias ou uniões de freguesia do concelho, cada um deles proferindo uma ou duas frases explicativas das razões que os levaram a candidatar-se, a maioria deles, a recandidatar-se.

De um modo sucinto, diríamos que todos se recandidatam, à excepção da Junta de Freguesia de Mafra, onde António Ramalho atingiu o limite de mandatos que a lei permite, da Junta da União de Freguesias da Malveira e S. Miguel de Alcainça, onde José Pinheiro começou, há uns meses, a dar sinais de cansaço físico e político, manifestando a sua vontade de abandonar o cargo, tendo sido entretanto convencido a completar o mandato, e finalmente, da UF da Igreja Nova e Cheleiros, única freguesia ganha pelo PS nas últimas autárquicas. Nestas três juntas, surgem agora três novatos nestas andanças. Para Mafra, Fátima Caracol, professora primária reformada e amiga pessoal do engenheiro Hélder Silva, para a UF da Malveira e S. Miguel de Alcainça, Vítor Gomes, apresentado como aposentado da marinha e na UF da Igreja Nova e Cheleiros apresenta-se Célia Rolo, empresária.

A José de Matos Correia – Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, presidente do concelho estratégico e membro do núcleo duro de Passos Coelho – coube apresentar o candidato, a quem não poupou elogios, quer no plano da sua actividade autárquica – pedindo desde já um 3º mandato – quer em referência ao modo como exerceu as suas funções de deputado do PSD na XII legislatura [2011 a 2015]. A Matos Correia coube também o ataque politico ao governo do PS, com profusas referências a “cativações”, ao governo dito de “cara e coroa” e ao facto de o primeiro ministro “ter ido de férias e ter fugido das responsabilidades”.

A José Bizarro, recandidato à presidência da Assembleia Municipal, coube o elogio da personalidade pessoal e política de Hélder Silva, cabendo-lhe igualmente fazer o resumo da actividade da câmara neste mandato que agora termina. Criticou o governo pelo facto de não ter avançado ainda a reabilitação dos carrilhões e do portinho da Ericeira, tendo-se referido igualmente à instalação do museu da música em Mafra (eventualidade já definitivamente afastada por este governo, por razões técnicas e financeiras). Posição particularmente dura, a de José Bizarro, relativamente à actual gestão da Tapada Nacional de Mafra.

Depois de uma “entrada triunfal”, fechou a sessão, Hélder Silva, presidente recandidato. Fez aquilo a que chamou “uma prestação de contas”, tendo passado em revista este mandato. O equilibrar das contas do município, as politicas da juventude e das famílias, o apoio ao associativismo, a reabilitação urbana, a politica cultural, o investimento nas escolas, nos novos centros de saúde e na segurança, tema onde foi particularmente duro com o governo, referindo que embora esteja pronto há meses o novo quartel da GNR da Ericeira, “o governo teima em não abrir, não cumprindo o que estava prometido”. Também o desenvolvimento da economia do concelho foi tema destes balanço feito por Hélder Silva, com a criação dos dois ninhos de empresas, na Ericeira e em Mafra, onde já terão sido criados mais de 120 postos de trabalho. De especial referência a afirmação de que o PSD na câmara de Mafra “não cederá a derivas populistas” numa menção ao pedido insistente das oposições para que desça a taxa de IMI, tendo sido esta a única referência, mesmo que indirecta, à oposição.

Pouco foi dito relativamente ao futuro, pois o programa de candidatura estará ainda em discussão, tendo Hélder Silva deixado cair algumas notas a este respeito, notas apontando para áreas prioritárias, Ambiente-Qualificação-Ensino Profissional-Emprego. Quanto à constituição do elenco de vereadores do PSD no próximo mandato., têm circulado algumas informações referindo a substituição do vice-presidente Joaquim Sardinha ou da vereadora Célia Batalha, informações que, tanto quanto nos foi possível apurar, poderão não se vir a confirmar.

Esta sessão contou com a apresentação de António Galambas (que manteve na RCM, durante largos meses, um programa de entrevistas a alguns políticos do concelho). Na assistência, destacavam-se várias figuras da vida económica e cultural do concelho, nomeadamente, Lourenço Henriques, actor e encenador do Grupo Tema, André Rodrigues, director da Banda da Escola de Música Juventude de Mafra, o cónego da igreja católica, Armindo Garcia, José Luís Silva Pires, ceramista em Mafra, elementos do Grupo Motard Jagozes, o professor António Felgueiras, ex-director do Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro, Adélia Antunes, vice-presidente da Caixa de Crédito Agricola de Mafra, um membro da direcção dos Bombeiros e da Misericórdia de Mafra e ainda Carlos Carreiras, presidente recandidato pelo PSD à câmara municipal de Cascais.

O Jornal de Mafra aproveitou esta ocasião para pedir a marcação de várias entrevistas com alguns candidatos do PSD a estas eleições, aguardando uma resposta deste partido, que segundo tudo indica, se manterá na liderança do município de Mafra.

Pub

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!