JOAQUIM NAMORADO (1914-1986), poeta e ensaísta, foi um dos iniciadores e figura de destaque do movimento neo-realista. Fundador e colaborador da revista Vértice, com ele se confundiu a vida da própria revista literária de enorme influência nos intelectuais da resistência ao fascismo. Durante largos anos, foi impedido de exercer o ensino de Matemática no ensino oficial, por ser um declarado opositor ao regime do Estado Novo. Vida e Obra de Federico García Lorca e o prefácio à antologia A Guerra Civil de Espanha na Poesia Portuguesa são textos fundamentais para o conhecimento da tremenda guerra que assolou a Espanha e de como a viveram e sofreram os poetas de ambos os países. AVISO À NAVEGAÇÃO é um dos seus poemas mais citados. Não deixem de ler a Poesia de Joaquim Namorado.

Alto lá!
Aviso à navegação!
Eu não morri:
Estou aqui
na ilha sem nome,
sem latitude nem longitude,
perdida nos mapas,
perdida no mar Tenebroso!

Sim, eu,
o perigo para a navegação!
o dos saques e das abordagens,
o capitão da fragata
cem vezes torpedeada,
cem vezes afundada,
mas sempre ressuscitada!

Eu que aportei
com os porões inundados,
as torres desmoronadas,
os mastros e os lemes quebrados
– mas aportei!

Aviso à navegação:
Não espereis de mim a paz!

Que quanto mais me afundo
maior é a minha ânsia de salvar-me!
Que quanto mais um golpe me decepa
maior é a minha força de lutar!

Não espereis de mim a paz!

Que na guerra
só conheço dois destinos:
ou vencer – ai dos vencidos! –
ou morrer sob os escombros
da luta que alevantei!

– (Foi jeito que me ficou
não me sei desinteressar
do jogo que me jogar.)

Não espereis de mim a paz,
aviso à navegação!

Não espereis de mim a paz

que não vos sei perdoar!

 

Publicado em 21 de Junho 2016

Pub

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!