18 MAR 2017 | DESTAQUES | JM

                No seguimento de uma intervenção do vereador Eduardo Baptista (CDU), que chamou à atenção da câmara para a falta de informação em que a oposição é mantida – queixa que tem vindo a ser reiterada ao longo do tempo por todas as forças da oposição – veio à liça a situação financeira da MafraEduca (participada em 49% pela Câmara Municipal de Mafra e em situação financeira calamitosa) e da Tapada Nacional de Mafra (TNM).
A propósito da TNM, Eduardo Baptista reafirmou então as informações que têm vindo a público, dando conta de vários problemas graves registados na Tapada desde a tomada de posse da actual directora, Paula Simões.  Problemas ao nível das relações laborais e institucionais, da segurança, das actividades desenvolvidas e das relações com outros parceiros. Esta questão foi já anteriormente abordada pelo JM em vários artigos [Guerra pelo controlo da Tapada Nacional de MafraQuem manda na Tapada Nacional de Mafra?Afinal os atritos laborais vinham já da anterior direcção]

O Ministro da Agricultura acompanha a situação da TNM com preocupação, “mas entretanto não aconteceu nada”. “Já estou farto de esperar”, afirma Hélder Silva, “O ministro anda por outro caminho, que não se sabe qual é“.

A partir desta intervenção, todos os presentes nesta reunião pública do executivo municipal tiveram oportunidade de assistir a uma sucessão de intervenções do Presidente Hélder Silva, intervenções algo insólitas e invulgarmente desabridas, muito críticas, mesmo muito criticas, não só da actual gestão da TNM, como também e sobretudo, da actuação do Ministro da Agricultura, Capoulas Santos.

 O Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres tem, relativamente a isto, “uma visão mais aberta do que o ministro”. “A questão eleitoral está a perturbar o Sr. Ministro”, afirma Hélder Silva

O Ministro da Agricultura acompanha a situação da TNM com preocupação, “mas entretanto não aconteceu nada”, referiu Hélder Silva, acrescentando que a situação é de tal modo grave que pode vir a afectar a salvaguarda do património à guarda da TNM, adiantando que  “o ministro anda por outro caminho, que não se sabe qual é“. O Presidente da CMM revelou também que Capoulas Santos terá afirmado que este momento, por razões eleitorais, não seria propicio para a resolução do problema da Tapada, concluindo Hélder Silva, que “a questão eleitoral está a perturbar o senhor ministro“;  o Ministro tê-lo-á mandado esperar, ao que o Presidente terá respondido, “já estou farto de esperar”. Revelou ainda que o Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres terá, relativamente a esta questão, “uma visão mais aberta do que o ministro”.

Antes da últimas legislativas, com o governo PSD/CDS, a CMM tentou que a tutela da Tapada passasse do Ministério da Agricultura para a Câmara Municipal. Esta passagem foi mesmo avaliada pela Assembleia Municipal, mas a mudança de governo terá, segundo o presidente da CMM, obstado a que esta solução fosse em frente. Parece assim evidente estarmos a assistir na Tapada, a um episódio (prolongado) de luta politico-partidária entre PSD e PS, potenciado pela proximidade de eleições, e a um esforço de Hélder Silva para que a Tapada fique sob a sua tutela. A imagem menos boa da actual directora (apoiada e nomeada pelo Ministro da Agricultura), associada à sua actuação considerada politicamente desastrada, terá dado novo lastro às pretensões reiteradas do Presidente da CMM.

Os problemas vêm já de há longos anos, “estragou-se tudo num ano?”, pergunta Sérgio Santos (PS)

Às palavras do presidente da edilidade mafrense respondeu o vereador Sérgio Santos (PS), mostrando estranheza por a CMM só com a mudança de governo se ter dado conta, e se ter alarmado, com a degradação da Tapada, sendo que, na realidade, os problemas virão já de há longos anos, “estragou-se tudo num ano?”, questionou.
Sérgio Santos chamou ainda à atenção para o facto de só se estar a ouvir um dos lados deste problema, não se conhecendo a posição da direcção da TNM nem do Ministério da Agricultura.

Hélder Silva retomou a palavra para dar nota do abandono da direcção da Tapada por parte do representante do ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas), que em sua opinião se terá demitido em oposição à politica da actual directora da TNM, Paula Simões – que está em funções há cerca de um ano, sempre envolvida em polémica.

Indignação, foi também o sentimento manifestado pelo Presidente da CMM quando referiu ter estado a Tapada sem sapadores florestais durante muito tempo, sendo que esta situação só terá sido regularizada há uma semana e terá posto em risco a segurança da TNM. Finalmente, e no que diz respeito ao habitual censo de animais, a partir do qual se faz a escolha dos efectivos a ser abatidos para consumo, numa iniciativa local conhecida por  “Sabores da Tapada” , este censo não teria sido feito este ano por vontade da directora da TNM, inviabilizando assim aquela iniciativa anual. Relativamente a esta questão, o Jornal de Mafra apurou que esta afirmação do Presidente da CMM não será rigorosa, pois, este ano, exactamente pelo facto de se ter realizado o censo, ter-se-à verificado que não fazia sentido abater quaisquer efectivos, razão pela qual, nem sequer terá havido as habituais caçadas destinadas precisamente a regular o número de animais presentes no ecossistema da Tapada.

Segundo afirmou o Presidente da Câmara de Mafra, Capoulas Santos terá declarado não ter uma estratégia delineada para a Tapada Nacional de Mafra

O apogeu das revelações feitas pelo Presidente da CMM nesta inusitada reunião pública do executivo – revelações pouco habituais a este nível, representando uma posição de força do Presidente da CMM no sentido de passar para o seu lado a tutela da TNM, uma vez que a outra interpretação possível, serem estas revelações fruto de alguma ingenuidade politica, não cola com um politico muito experimentado como é o caso de do actual presidente da câmara de Mafra –  das conversas entre o Ministro da Agricultura, o Secretário de Estado e o Presidente da Câmara de Mafra, terá sido atingido, quando o Presidente da CMM declarou, para quem o quis ouvir, que o Ministro da Agricultura lhe terá  dito, numa reunião no ministério, na presença do Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, que ele, ministro, não tinha uma estratégia para a Tapada Nacional de Mafra.

Hélder Silva afirmou, no entanto, confiar que esta situação possa ser solucionada rapidamente, talvez mesmo nos próximos dias, disse – algo que, tendo em conta todos estes acontecimentos, é ela também, uma afirmação surpreendente.

Em Setembro do ano passado, o Jornal de Mafra escrevia assim: “A Tapada Nacional de Mafra está disponível para servir o país e o concelho desde 1747. Houvesse gente capaz de a gerir com inteligência e com visão nestes 269 anos que leva de vida, e a TNM seria hoje um Parque Nacional com ligações fortes à Universidade, capaz de dar um excepcional contributo para a economia do país e do concelho, capaz de servir a educação da nossa juventude.”. Pode ser que, um dia, quando crescermos, esta epifania se cumpra.

Pub

Achou este artigo interessante, partilhe-o com os seus amigos!

VISITE TAMBÉM A PRIMEIRA PÁGINA DO JORNAL DE MAFRA

Partilhe com os seus amigos!