Vamos à farmácia | Quero deixar de fumar – e agora?

Vamos à Farmácia | Ana Quintela

 

Quero deixar de fumar – e agora?

Em Portugal morrem cerca de 11 mil pessoas devido a doenças relacionadas com o consumo de tabaco. Estima-se que um fumador perca cerca de 10 anos de esperança de vida, sendo muito mais suceptível a doenças graves, comparado com indivíduos não fumadores.

O tabaco contém inúmeras substâncias nocivas para a saúde, mas a substância responsável pela dependência é a nicotina, que assim que entra em contacto com o nosso organismo atinge muito rapidamente o cérebro. É essencial insistir na prevenção do tabagismo particularmente nos jovens, pois devido à imaturidade do seu córtex cerebral são muito vulneráveis ao efeito da nicotina.

 

Afinal que vantagens tenho se deixar de fumar?

Deixar de fumar significa que pode não só melhorar a sua saúde, como também a saúde de quem o rodeia, visto que por ano cerca de 400 pessoas não-fumadoras têm doenças associadas ao tabaco através da inalação de fumo pela proximidade de fumadores activos.

Se deixar de fumar pode aumentar em média 10 anos a esperança de vida, reduzir consideravelmente o risco de AVC e diminuir cerca de 50% o risco de doença cardiovascular. A partir do momento que deixa de fumar diminui imediatamente a probabilidade de desenvolver uma doença respiratória. Especificamente quanto ao cancro do pulmão, após 10 anos é possível reduzir o seu risco. Para além destas vantagens, a sua saúde geral sofre logo mudanças muito positivas, como a redução da tosse, melhorias no olfacto e no paladar, mais energia, vitalidade e aptidão física.

 

Onde posso pedir ajuda?

Há diversas iniciativas para apoiar quem deseja deixar de fumar. Através do nosso Sistema Nacional de Saúde pode obter apoio através da linha – SNS24 808 24 24 24. Parte da Campanha “Os ex-fumadores são imparáveis” existe ainda desde 2011 um sistema de ajuda online desenvolvido pela Comissão Europeia, o iCoach. Esta aplicação consiste num programa gratuito que permite adaptar um plano específico para o utilizador e pode ser usada em telemóveis com Apple ou Android.

De qualquer modo, é sempre indicado procurar ajuda nas consultas de cessação tabágica, disponíveis em diversos pontos do país.

De acordo com a DGS, mais próximo do Concelho de Mafra, tem a USF da Ouriceira, com consultas à 3ª feira. 261 860 650.

Em Torres Vedras, o DICAD CRI Oeste, com consultas aos dias úteis. 261 000 790.

Em Sintra, a USF Flor de Lótus, com consultas à 2ª e 4ª feira. 219 138 907. A USF Natividade, com consultas à 6ª feira. 219 226 469. E a USF Mactamã, com consultas à 3ª feira. 214 398 530.

 

 

O que posso esperar inicialmente quando deixar de fumar?

Salvo raras excepções, deixar de fumar é difícil devido aos sintomas de privação provocados pela falta do tabaco. É habitual que como ex-fumador seja confrontado com diversas ocasiões sociais onde sinta mais necessidade de fumar. Como a nicotina interage directamente com os nossos receptores cerebrais, quando deixa de fumar, todo o organismo tem de se adaptar à ausência do tabaco, desencadeado assim sintomas de abstinência. Embora não sejam perigosos para a saúde, são estes sintomas de abstinência os responsáveis pelas recaídas. Destacam-se a irritabilidade, nervosismo, dificuldade de concentração, insónias, fome e naturalmente um desejo intensificado de fumar. Normalmente são sintomas que apenas duram umas semanas, embora a vontade de fumar possa demorar mais tempo.

 

A que tratamentos posso recorrer?

Sabe-se que apenas um máximo de 5% dos fumadores consegue manter-se sem fumar após um ano de ter deixado. Por isso, existem alguns medicamentos para ajudar com o incómodo provocado pela falta da nicotina e desta forma potenciando um maior sucesso na cessação tabágica.

Primeiro, é importante perceber o seu nível de dependência. Existe um teste – Teste Fagerström que mede a dependência física ao tabaco, no entanto, pode apresentar uma pontuação baixa e mesmo assim ter uma elevada dependência psicológica. Por esse motivo, é importante recorrer a ajuda para alterar os comportamentos que levam a fumar.

Para perceber qual o grau de dependência, é recomendado registar os cigarros que fuma ao longo de um dia e analisar aqueles que foram fumados por prazer e aqueles que foram fumados mais por rotina, sendo os últimos os mais fáceis de abandonar. Quanto às ocasiões em que percebeu que os cigarros provocam mais satisfação é essencial encontrar mecanismos que permitam adoptar outro comportamento para lidar com essas circunstâncias.

 

Relativamente a terapêuticas de antitabagismo, de aquisição mais fácil existem as pastilhas e as gomas de nicotina. As gomas de mastigar devem ser mastigadas mas devem também ser repousadas na bochecha e as pastilhas de chupar devem manter-se sempre de lado na bochecha até dissolverem completamente. Só deve comer pelo menos passados 15 minutos.

Conforme a quantidade de cigarros que fuma, pode ser necessário começar com 8 a 12 pastilhas e reduzir o seu número até não precisar de mais. É importante lembrar que a longo prazo podem provocar alguns efeitos secundários como lesões nas gengivas, mau gosto na boca, enjoos, vómitos e excesso de produção de saliva.

Quanto aos sistemas transdérmicos, são adesivos que se colocam de manhã e libertam nicotina lentamente ao longo do dia, tendo uma duração entre 16h a 24h. Podem ser colocados em zonas da pele limpas, secas e sem pêlos (ex.: braços, ombros, nádegas, coxas ou peito). A maioria das marcas disponibiliza adesivos com três quantidades de nicotina, pelo que se fuma mais que um maço por dia deve sempre optar por começar com os mais fortes e reduzir gradualmente a dose. Conforme a marca do sistema transdérmico, o tratamento recomendado pode variar entre 8 a 12 semanas. Novamente, também estes adesivos podem produzir alguns efeitos indesejados como náuseas e vómitos, insónia, excesso de produção de saliva e vermelhidão no local de aplicação (deve ir variando o local).

 

De recomendação exclusivamente médica, em Portugal destacam-se a Bupropiona (Elontril® ou Wellbutrin®) e a Vareniclina (Champix®).

A Bupropiona, embora seja um antidepressivo, é extremamente eficaz na cessação tabágica por acalmar os sintomas de abstinência.

No cérebro, a nicotina estimula a libertação de um neurotransmissor denominado de dopamina que é responsável por provocar uma sensação de bem-estar. Consequentemente, quando deixamos de fumar, deixamos de ter nicotina e volta a necessidade de fumar novamente. A nível cerebral a bupropiona compete com a nicotina e liga-se aos mesmos receptores o que faz com que fumar deixe de desencadear a habitual sensação de bem-estar. Desta forma, é um medicamento muito eficaz nem pessoas com elevada dependência física (fumadores de >20 cigarros por dia e >5 pontos no teste de Fagerström).

Dependendo de pessoa para pessoa, mas normalmente toma-se por 3 meses. É necessário ter atenção que pode interagir com outros medicamentos, como por exemplo alguns anti-hipertensores, broncodilatadores e outros antidepressivos.

A Vareniclina, funciona também de forma semelhante, estimulando os mesmo receptores cerebrais que a nicotina, suavizando assim os sintomas de abstinência. Geralmente recomenda-se parar de fumar após uma semana de tratamento e prolonga-se o tratamento por 12 semanas.

 

Os medicamentos para a cessação tabágica causam dependência?

Este tipo de tratamento não causa dependência, embora seja essencial que siga sempre as indicações do seu médico ou farmacêutico e quando assim indicado diminuir sempre a dosagem nas semanas indicadas.

 

Tome uma decisão, peça ajuda e deixe de fumar.

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados