Crónicas de Jorge C Ferreira | Amo-te Liberdade

Amo-te Liberdade

 

Esta vida que me aparece do nada. Esta coisa que não sei explicar. Estes beijos que me dão não sei porquê.  Os abraços que me enlaçam de ternura e eu agradeço com outros abraços. As ruas que faço minhas e não se queixam da usurpação. Dádivas que recebo a cada esquina. Coisas que me fazem esquecer as estaladas que levei vida fora. Estou imune a determinadas patifarias. Há pessoas que risco da minha vida com uma facilidade enorme. Nem disso tal gente se dá conta. Quando dão por ela, já lá não estou.

Fui com os mais velhos às casas proibidas. Vi o negro da vida e o clarão da morte. Caminhei por muitas estradas erradas. Aprendi. Continuo a tentar aprender. Oiço os mais novos e os mais velhos. Tenho saudades dos que foram o amparo da minha vida. Com eles aprendi a ser Republicano e a dar vivas à República. A sintonizar o rádio de válvulas  em perigosas  frequências. A ler os livros proibidos. A desfilar contra a desordem estabelecida. Paguei por ter arriscado ser livre. As marcas cicatrizaram. A experiência valeu a pena. Não me queixo de nada. Foi das coisas mais belas que fiz na minha vida. Não há preço para a Liberdade. É o bem mais essencial. A partir da amada liberdade podemos sonhar e contruir futuros. Assim consigamos conjugar vontades e saibamos descer as avenidas de mão dada.

Foi muita vida, muito risco, muita oportunidade perdida. Estar ao lado dos mais fracos foi sempre o meu lema. A dignidade da pessoa humana, uma preocupação constante. A verdade, sempre a verdade! Dar sem esperar nada em troca. O altruísmo que, já em si, tem uma enorme recompensa quando o praticamos. Sermos consequentes com o que pensamos. Ter medo, mas ter força para o enfrentar.

Foram noites e dias sem descanso. Papéis passados em stencils. Volantes para voar. O querer ser feliz. Alegres cansaços e alguns tristes desenlaces.  Apesar de tudo, continuar, sempre! O caminho tem de ser feito. Nunca devemos deixar nada pela  metade. Da Liberdade ainda faltam algumas partes. Temos vivido com altos e baixos. Vidas a crescer e a morrer de tão empanturradas. Trafulhas, aldrabões de pequeno e grande calibre, o conto do vigário. Tudo temos aturado. Um preço exagerado. Uma realidade que dói.

Tanta gente sem casa e tanta casa vazia. Os sem abrigo e os armazéns de distribuição da esmola. As falsas “ONG’s”. O dinheiro que desaparece. A esperança de ser bafejado pela sorte, uma chamada de valor acrescentado, o euromilhões, os casinos da desgraça. O acrescento da pobreza. A triste ilusão. A vida a degradar-se. As inovações que matam. O emprego que rareia. As vigarices de patrões sem rosto. A vergonha.

Temos de dar a volta a isto. Temos de obrigar, quem diz que faz, a fazer. Temos de ser cidadãos de parte inteira. Temos que acabar com a desigualdade da justiça. Temos de equilibrar os pratos da balança. Temos de acabar com muito interesse instalado. Com a droga das corporações que sobreviveram à morte do ditador e ao florescer dos cravos. Já é tempo! As avenidas esperam por nós.

As videochamadas continuam:

«Olha que tu hoje, não sei que te deu. Mas deu-te forte!»

Isaurinda.

«Acho que é um bocado de mim que aqui deixo. Mas tinha de ser.»

Eu

«Eu sei e gosto de ti assim. Mas tem cuidado contigo.»

Isaurinda e vai, o pano na mão.

Jorge C Ferreira Nov/2017(144)(Reino de Valência)

 

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados

26 Thoughts to “Crónicas de Jorge C Ferreira | Amo-te Liberdade”

  1. celia m cavaco

    Belo texto,a liberdade ao expoente é uma conquista.A liberdade requer personalidade e luta.Fico sempre emocionada,este texto é a prova que a liberdade é de muitos,mas,muitos não sabem infelizmente que essa senhora dona liberdade tem conquista e luta diária.Abraço meu querido amigo

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Célia. Amar e cuidar da Liberdade. Amiga tão especial e que custou tanto a conquistar. Abraço

  2. Ana Pais

    Quão maravilhosa crónica ! ” Amo-te Liberdade” é o mote para viver-mos numa sociedade com Humanidade , Respeito , Solidariedade e Verdade. Viva a Liberdade, sempre! A voz da Isaurinda , a voz da ternura para um Ser igualmente ternurento e muito valioso- o Jorge. Tenha um dia super feliz. Abraço com muito carinho e respeito.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Ana. Que bela é a Liberdade. Que bem tão precioso. Abraço

  3. Isabel Pires

    Não há preço para a Liberdade ! Obrigada por tão belo texto

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Isabel. A liberdade o nosso bem mais precioso. Abraço

  4. Madalena

    Adorei! Como poderia não gostar?! Liberdade! Essa palavra sagrada para mim, foi hoje o seu mote, a sua inspiração para esta crónica magnífica. Que bom! Continuação de dias felizes por esse reino. Obrigada, querido amigo. Um beijinho.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Madalena. Que bom que gostou e comentou. Amar a Liberdade, sempre. Abraço

  5. Manuela Moniz

    Como gostei desta crónica, meu amigo! A liberdade conquistada a muito custo, só poderá ser para ajudar a sociedade a ser mais fraterna e justa e não para prejudicá-la.
    Que ninguém se poupe a reclamar por uma justiça igual para todos.
    Abraço fraterno, Jorge.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Manuela. Dar conteúdo à. Liberdade. Sentir que vale a pena. Abraço

  6. cristina ferreira

    Um privilégio te ter como meu mestre!
    (Estou mais uma vez com a minha querida Isaurinda – Tem cuidado contigo )
    Obrigada!

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Cristina. Sou um simples escrevinhador que ama a Liberdade. Abraço

  7. Ivone Teles

    Que ânimo nos trazes querido amigo. Como adoro, já lido e relido. E eu sei algumas voltas da tua vida que só beneficiaram o rapaz( sim, rapaz) que viveu para aprender. Viveste e vives de amar e para amar. Tens um ” modo de ser ” tão teu. Irradias ternura. O teu olhar é frontal, homem bonito em que te transformaste com as experiências vividas, algumas que confessas dolorosas. Marcas que ficaram como tatuagens.
    Livra-te de desceres a avenida de mãos dadas e não teres as minhas mãos com todas as outras.
    E continuo a ler, em ti, os caminhos e princípios que me ensinaram e procuro seguir. Continuo a ler e revejo-me. Por isso a nossa amizade não tem grades e sou uma irmã.” Temos de dar a volta a isto e obrigar os que dizem que fazem, a fazer, dizes e eu digo contigo e continuarei a lutar para que aconteça.
    Como te gosto, meu amigo. Pela LIBERDADE que crie Justiça, Fraternidade, Solidariedade e os valores de ABRIL, não vamos deixar que estraguem este país.
    Com a Isaurinda me despeço. Ela não deixa que te possa acontecer algum mal. Com o seu pano na mão, leva-me com ela.
    Beijinhos meu amigo/irmão. Saudades e beijos ternos.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Ivone. Ler os teus comentários é um bálsamo para o meu estar. Textos belíssimos e generosos. As Avenidas esperam por nós. Não dispenso a tua mão. Abraço

  8. Isabel campos

    Contínuas sempre a pagar. Continuamos sempre a pagar. A liberdade tem o preço da nossa teimosa coerência, no respeito por ela na pessoa de cada um.

    Um preço que nos anima. Sempre, sempre.

    Beijinho

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Isabel. Que alegria ver-te por aqui. Sabes que sim, que pagamos sempre. Andar direito na vida tem os seus custos. Mas dormir bem é óptimo. Abraço

  9. Idalina Pereira

    Uma vida cheia , bem vivida e em liberdade.
    Gostei tanto desta crónica.
    Uma boa semana, Mestre e Amigo. Um abraço.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Idalina. A nossa vida deve ser um compromisso com a verdade. Abraço

  10. Fernanda Luís

    Parabéns e obrigada por este precioso presente.
    Talvez a mais bela de todas as crónicas. Que inspiração, que talento!
    A Liberdade! Viva!
    Vamos encher todas as avenidas, alinho.
    Por ela, por nós, por todos.
    Mais uma vez, obrigada.
    Grande abraço.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Fernanda. Vamos amar a liberdade inteira. Vamos encher as avenidas. Abraço

  11. Isabel Soares

    Muito bom. Um hino à liberdade.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Isabel. Amar a Liberdade. Abraço

  12. Esmeralda Machado

    Viva a liberdade! Gostei muito da sua crónica. Um abraço amigo.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Esmeralda. Viba a Liberdade inteira. Abraço

  13. Maria da Conceição Martins

    Olá amigo Jorge.
    Que texto lindo nos escreveu hoje. E de todo ele retenho a frase «Não há preço para a Liberdade» e não há mesmo. Grande abraço.

    1. Jorge C Ferreira

      Obrigado Maria da Conceição. A Liberdade ê um bem que devemos cuidar bem. Abraço

Comments are closed.