MESMO | Dia Mundial de Prevenção do Suicídio

Saúde Mental e Ocupacional | Susana Alves e Maria João Avelino

 

“Take a minute, change a life” Dia Mundial de Prevenção do Suicídio

 

Todos os anos mais de 800 000 pessoas morrem de suicídio. Um número 25 vezes superior de pessoas tenta o suicídio. Estes dados mostram a premente necessidade de desenvolver estratégias para prevenir estas situações. É neste âmbito que no dia 10 de Setembro se comemora o dia Mundial de Prevenção do Suicídio. O tema deste ano é “Take a minute, change a life” – É que cada uma das pessoas que se suicida ou tenta o suicídio faz parte de uma comunidade. Algumas dessas pessoas têm uma rede de apoio familiar e amigos, outras podem estar menos integradas ou mesmo isoladas socialmente. Independentemente dessas circunstâncias as comunidades têm um importante papel no suporte aos mais vulneráveis.

 

Como artigo alusivo a este dia voltamos a apresentar o artigo já apresentado sobre esta temática.

 

O que é o suicídio?

O suicídio é o acto de matar-se a si próprio, voluntariamente.

Porque é que as pessoas pensam no suicídio?

Os pensamentos suicidas são relativamente comuns, e a maioria das pessoas que pensa em suicídio não se suicida. Estes pensamentos costumam surgir quando as pessoas não conseguem suportar o sofrimento ou a dificuldade que estão a sentir e são incapazes de ver outras soluções. A sua intenção é parar a dor e não pôr termo à vida, por isso, a maioria das pessoas que opta pelo suicídio dá também sinais de querer ser ajudado. Na maior parte das vezes, não estão no seu estado mental habitual, o que pode acontecer porque: estão deprimidas e vêem o pior em tudo, ou não têm a energia ou motivação para continuar a viver; têm crenças ou ideias estranhas, ou ouvem vozes; estão a viver um acontecimento de vida com o qual não são capazes de lidar (a morte de um ente querido, uma ruptura amorosa, ter sido condenado/estar detido, ter problemas no emprego, estar desempregado, ter dívidas, ter sido vítima de abuso, têm sentimentos de culpa ou remorsos acerca de algo que fizeram, têm uma doença física grave ou que causa mal-estar ou dor crónica,  estão sob influência do álcool ou de outras drogas que alteram o estado mental).

O que devo fazer se pensar em suicídio?

Muitas vezes, a causa destes sentimentos é tratável ou são sentimentos que vão mudando com o tempo. Às vezes, as pessoas que pensam em suicídio acham que os outros estariam melhor sem elas ou que não se preocupam com elas, no entanto, o suicídio deixa uma tristeza profunda e culpa nos que ficam, além de grande angústia acerca de situações não esclarecidas.

Se tem pensamentos suicidas, tem várias alternativas:

  • Falar com alguém – poder dizer e partilhar o que sente, ajuda. Os sentimentos podem estar confusos e falar ajuda a ver as coisas de outra maneira. Por exemplo, pode falar com: amigos próximos, colegas, familiares, linha de apoio.
  • Procurar o médico de família – o seu médico vai procurar sinais de depressão ou de outra doença mental ou física. Se tiver uma doença mental, esta pode ser tratada e as ideias de morte acabam por desaparecer. Pode também ser identificada uma doença física que pode ser tratada, ou o médico pode ajudar a encontrar estratégias de lidar melhor com a doença. Se necessário, o seu médico enviá-lo-á para um especialista.
  • Evitar o álcool e as drogas – o álcool tende a fazê-lo sentir-se pior, “exagera” os sentimentos. Outras drogas podem fazê-lo sentir-se “em baixo”, perseguido ou “fora de si”.
  • Retirar do seu alcance meios de cometer suicídio, se sente um impulso grande para o fazer. Por exemplo, pode dar a um amigo ou a um familiar a medicação que toma.
  • Cuidar de si e tentar fazer coisas de que gosta e que o façam sentir-se melhor. Por exemplo, fazer uma lista das coisas positivas na sua vida, juntar coisas de que gosta ou que lhe façam lembrar tempos felizes (fotografias, CDs, DVDs, livros ou outros objectos). Tentar comer bem. Fazer exercício regularmente. Arranjar-se bem. Tentar organizar programas de fim de semana, férias ou serões que o animem.
  • Exprimir-se, escrevendo ou através de outra forma de arte.
  • Procurar informação em websites de ajuda – por exemplo, saber quem contactar ou conhecer histórias de quem já viveu o mesmo.

E se sentir uma grande motivação para me suicidar?

  • Deve dirigir-se ao Serviço de Urgência O médico de urgência irá conversar consigo e avaliar as suas ideias suicidas. A partir daí, poderá ser encaminhado para uma consulta de Psiquiatria, onde será definido um plano de tratamento que o fará sentir-se melhor. Em casos mais graves, poderá ter que ficar internado.
  • Se tomou medicamentos numa quantidade superior à prescrita, ou se fez mal a si próprio de outra forma, ligue imediatamente o 112. Lembre-se que muitas das razões que levam as pessoas a quererem o suicídio são temporárias e que a vida pode melhorar.

 

Como saber se alguém pensa em suicídio?

As pessoas que pensam em suicidar-se normalmente expressam a sua intenção, consciente ou inconscientemente, dando sinais de alarme. A presença de um ou mais destes sinais não é uma garantia de que a pessoa pretenda suicidar-se, a única forma de ter a certeza é perguntando. Noutros casos, o suicida pode não querer ser salvo e pode evitar dar sinais de alarme. Alguns desses sinais são: afastar-se dos amigos e da família, tristeza intensa, ansiedade intensa, sentimentos de desesperança (de nada valer a pena), sentimentos de auto-desvalorização, apatia ou entorpecimento, comportamento impulsivo, mudanças rápidas de humor, comentários acerca da morte ou suicídio, preparativos para a morte, como a preparação de documentos, dar objectos pessoais de valor sentimental elevado ou escrever cartas ou notas aos amigos.

O que fazer se souber que alguém pensa em suicídio?

Se for amigo, familiar ou colega, pode fazer muito:

  • Leve a pessoa a sério e mostre que se preocupa.
  • Escute e deixe que a pessoa expresse os seus sentimentos. Isto pode ser útil só por si, porque pode levar ao entendimento e reduzir grandemente a angústia imediata.
  • Seja empático e não crí
  • Faça perguntas sobre como a pessoa se sente e pergunte, directamente, se pensa no suicídio. Se a pessoa o confessa, pode ser um grande alívio ver que outra pessoa tem uma ideia de como se sente.
  • Tente saber se a pessoa possui planos específicos e qual o método de suicídio que está a ser considerado.
  • Ofereça apoio e verifique regularmente como a pessoa está, para mostrar que se preocupa verdadeiramente.
  • Tente dirigir os seus pensamentos e actividades para coisas e para pessoas de que gosta e ajude a distrair-se dos seus sentimentos negativos.
  • Envolva outras pessoas.
  • Dirija-o(a) para as fontes de ajuda profissionais referidas atrás e ofereça-se para ir com ele(a), se isso ajudar.
  • Realce o facto de o suicídio constituir uma solução permanente para um problema temporário, lembrando a pessoa de que existe ajuda e de que as coisas irão melhorar.
  • Chame o 112, se a pessoa fez mal a si própria.

Leve a sério conversas e ameaças de suicídio!

LEMBRE-SE, o suicídio é permanente, mas os sentimentos contra os quais luta são, provavelmente, temporários. Há formas de o ajudar neste período difícil.

 

Susana Alves
Médica Interna de Psiquiatria

Maria João Avelino
Médica psiquiatra e Coordenadora Clínica da Unidade Comunitária de Psiquiatria de Mafra- Espaço  MESMO.

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados

Leave a Comment