Crónica de Alexandre Honrado | Elogio da coisa

Elogio da coisa
(da selfie ao fascismo: sorria!)

 

Já me sentei a mesas só de padres, não sendo padre. E uma freira idosa até me interrogou, sem piedade, chegando à conclusão que eu lhe mentia. É que  ninguém com esta barriguinha, esta primeira fase de calvície (a minha carequinha nuclear), que parece uma tonsura (tipo de corte no cabelo do ordinando, que é o que vai receber as ordens sacras do catolicismo, sendo o corte produzido ao conferir-lhe o primeiro grau de Ordem no clero), que sabe o que é um cibório (recipiente usado na liturgia para guardar hóstias eucarísticas), que sabe histórias de santos e anedotas sobre abades (palavra siríaca, isto é, aramaica e da antiga Síria e arredores, que acabou por dar em clérigo responsável por uma abadia, isto é uma comunidade monástica cristã), um indivíduo que trata por tu tantos seminaristas, pode dizer que não é ordenado – que o foi ou que não gosta de sê-lo.
Já me sentei também a mesas só de bandidos sem sotaina (sotaina é a veste usada pelos padres e que antigamente tinha de ter 33 botões de alto a baixo, um por cada ano de Cristo). Bandidos, sim, desses que lesam a pátria e correm impunes, que desfalcam, que erram, que enganam, que desviam; desses que são a corrupção e o nosso engulho.
As mesas a que me sentei nunca fizeram de mim padre ou ladrão. Posso dizer que é dos meus maiores orgulhos.
A última em que estive era só de filósofos, eu era a exceção. Obrigou-me a pensar mas não fez de mim um pensador; talvez, porém, me tenha ensinado um pouco menos que a mesa de padres, onde a tradição ocupava uma cabeceira inexplicável, ou muito menos do que a mesa dos ladrões onde em cada cadeira tudo tinha uma explicação.
Nesta mesa de filósofos, o tema deixou à mostra um pedaço de chão enodoado a que teimamos chamar Europa. E, nesse chão, as pegadas dos europeus, e cada europeu isoladamente exibiu-se sob o foco das sombras das crises que transportam.
Uma ideia antiga, dessas que vão e vêm à mesa dos que pensam, estendeu-se aos nossos olhos, como a toalha bordada na boda, ou a velha toalha de plástico que usamos no dia a dia das economias.
Tudo começou porque ali ao lado um grupo de jovens se entretinha a tirar fotos. Não do grupo, nem uns dos outros, mas no mais triste exercício solipsista – sim o solipsismo! Concepção filosófica de que, além de nós, só existem as nossas experiências – tiravam fotos a si mesmos.
Uma voz sugeriu que a Europa vive uma crise de figurabilidade; a tendência atual é para abandonar o desejo de figura. A questão fundamental é: será possível e desejável ter uma outra figura para a Europa dos nossos dias?
Quando alguém interpretou isto, os outros estremeceram. A Europa está a um canto da Ásia a fazer as fotos das suas próprias caretas. Se vive uma fase de figurabilidade é porque as figuras que faz não a elevam ou são dignas de um álbum de família. É desejável ter uma outra figura para a Europa, sim, que já foi dos padres da mesa grande, e dos protestantes que deles se afastaram, e dos netos de ambos que produziram a ignomínia de duas guerras grandes e milhares de terrorismos mais pequenos e mesmo assim sangrentos e odiosos.  E se tornou depois a mesa incontrolável de bandidos, que tomam como seu o pão que não produzem.
Que figura faz a Europa dos nossos dias? Alguém disse: a “figura” pressupõe uma matéria. Nessa matéria existe algo que se modela. E o que se modela  funciona como modelo para outros seres. A partir daí, estabelece-se uma relação entre figura e identidade: para se constituir a si próprio, o homem tem de se projetar a si próprio, o homem tem de se projetar para fora de si; e projetar-se para fora de si é adquirir uma figura.
Quando os tempos separam as palavras e as coisas – a coisa é essencial, já que ao entendê-la como coisa pública – diriam os latino res publica – ela serve-nos e melhora-nos – a crise é irreversível.
Estamos à beira de uma coisa assustadora. Começa por ser uma selfie. A cada um a sua! E depois juntam-se todas as selfies na massa da impotência, a que uns chamam totalitarismo, outros fascismo e outros até lhe dão o nome próprio do  fotógrafo, perdão, do ditador que ficar com o poder nas suas mãos.

Alexandre Honrado
Historiador

 

Siga-nos nas redes sociais

Artigos Relacionados